Doença inflamatoria intestinal, inflamatório …

Doença inflamatoria intestinal, inflamatório …

Doença inflamatoria intestinal, inflamatório ...

Prática Essentials

colite sepulturas observadas Durante uma colonoscopia em hum Paciente com Doença inflamatoria intestinal. A mucosa E grosseiramente desnudado, com sangramento Ativo observou. O p.

Sinais e síntomas

Geralmente, como Manifestações de DII dependem da área do tracto intestinal envolvido. síntomas OS, não entanto, Não São Específicos parágrafo ESSA Doença. ELES São Como se segue:

Hábitos intestinais irreguläres, Passagem de muco, sem sangue UO pus

Profundo, fissuras úlcera em Paciente com Doença de Crohn. Notar o aumento na Inflamação de da submucosa e agregados linfóides Dispersas.

e nefrolitíase colelitíase

etiologia

Três Características definem a etiologia da Doença inflamatoria do intestino (DII): (1) predisposição genética; (2), Uma RESPOSTA imune desregulada alterada; e (3) Uma RESPOSTA alterada de microrganismos da flora intestinal. No entanto, o Evento de disparo Para um ACTIVAÇÃO da RESPOSTA imunitária na DII tenha AINDA identificados de Ser. Possíveis Factores Relacionados com este Evento incluem hum Organismo patogénico (AINDA NÃO identificada) OU Uma RESPOSTA inadequada (OU SEJA, uma incapacidade de degradar a RESPOSTA inflamatoria um hum antigénio, Como tal Uma alteração na Função de barreira).

Nenhum Mecanismo TEM SIDO implicada Como uma causa Primária, mas MUITOS São postulados. A População de linfócitos em PESSOAS COM IBD �policlonal, Tornando a busca de Uma Única causa precipitante Difícil. Em QUALQUÉR Caso, Uma ACTIVAÇÃO inapropriada do Sistema imunitário Leva um Inflamação Contínua fazer tracto intestinal, com hum tanto aguda (neutrófilos) e crónica (linfocítica, histiocítica) RESPOSTA inflamatoria.

Vários Fatores de risco Ambientais TEM SIDO propostos Como contribuindo parágrafo a patogênese IBD, mas OS Resultados São inconsistentes, e como limitações dos Estudos impedem de Tirar CONCLUSÕES firmes. A Associação Mais consistente descrito foi fumar, O Que aumenta o Risco de Doença de Crohn. No entanto, a corrente de fumar protegido contra ulcerativa colite, enquanto Que o ex-fumadores aumenta o Risco de colite ulcerativa. Fatores dietéticos also were inconsistente descrito. Em Alguns Estudos, a ingestão de Fibras e Alta ingestão de frutas e Vegetais Parece Protetora contra IBD. [12] O Estudo prospectivo E3N descobriram Que a ingestão de proteína de Alta animais (peixe OU carne) realizou hum Maior Risco de IBD. [13]

Genética

PESSOAS COM IBD TEM Uma susceptibilidade genética parágrafo a Doença, [14] e pesquisa considerável na jornal Última Década melhorou a Nossa Compreensão do papel destes genes. Nota-se that Estes genes parecem Ser permissiva (Isto É, permitir that a ocorrer IBD), mas Eles Não São causadores (Isto É, o gene APENAS Porque ESTÁ Presente NÃO Significa necessariamente Que a Doença Ira desenvolver).

Parentes de Primeiro Grau TEM UM Risco de 5 a 20 vezes Maior de desenvolver IBD, em Comparação com PESSOAS NÃO afectados de Famílias. [8, 15] O filho de hum pai com IBD TEM UM Risco de 5% de desenvolver IBD. Estudos com Gêmeos mostram Uma concordancia de cerca de 70% EM Gémeos idênticos, contra 5-10% em Gêmeos NÃO idênticos. De patients com DII, 10-25% São estimadas Para ter um parente do Primeiro Grau com a Doença. Estudos com Gêmeos monozigóticos mostram Uma Alta concordancia parágrafo a Doença de Crohn, mas NEM tanto parágrafo a colite ulcerosa.

Uma Descoberta Cedo nenhum cromossomo 16 (IBD1 gene) Levou à identificação de 3 (único nucleotídeo polimorfismos missense 2, Uma Grelha de Leitura) na NOD2 gene (ágora Chamado CARD15 ) Gene Primeiro o Como (CARD15 ) Claramente Associados com IBD (Como hum gene de susceptibilidade parágrafo a Doença de Crohn). CARD15 e Um polimórfico gene envolvido no inato Sistema imune. O TEM gene Mais do Que 60 Variações, das Quais 3 TEM UM papel em 27% dos patients com Doença de Crohn, principalmente em Doentes com Doença ileal.

Estudos posteriores sugeriram Que o genotipo CARD15 ESTÁ Associada NÃO Só com o Início da Doença, mas TAMBÉM COM A SUA História Natural. Um Estudo Sobre Uma coorte Alemão e norueguês mostrou that PACIENTES COM 1 dos 3 alelos de Risco identificados Pará CARD15 ERAM Mais propensos a ter UO ileal Doença OU fazer cólon Direito. [16, 17] Estes Produtos de genes parecem Estar envolvidas nsa Percursos intracelulares imunes inatas Que reconhecem Produtos microbianos não citoplasma.

Outro Estudo de Associação do genoma Início olhou parágrafo coortes de caso-Controle Judeus e Não-Judeus e identificados 2 polimorfismos de nucleotídeo Único não IL23R fazer gene, Que codifica Uma subunidade da proteína do receptor de interleucina-23. [18] Curiosamente, este Estudo also descrita a Natureza promissora de Certas terapias Que bloqueiam a Função da IL-23. Otras Pesquisas sugerem Que hum polimorfismo particular, não IL23R gene mostraram uma Associação Mais forte em Uma População alemã. [19] No entanto, outro Estudo descobriu Que a substituição Arg381Gln ESTÁ Associada com Início na infância de IBD na Escócia. [20] Estes Produtos de genes parecem Estar envolvidas na Regulação da Imunidade adaptativa.

Outros Numerosos loci identificados were Como conferindo susceptibilidade à Doença de Crohn, incluíndo Varias Grandes meta-analyses that were encontrados Múltiplos o romance loci de susceptibilidade e confirmaram OS Resultados Anteriores. Em Uma meta-Análise de 3 varreduras de Associação do genoma, 526 polimorfismos de nucleotídeo Único de 74 loci genômicos Distintos were encontrados. [21] Em loci de triagem that were discutidas anteriormente, havia 21 Novos loci that were Associadas com hum Risco aumentado de desenvolver a Doença de Crohn e TEM implicações Funcionais, incluíndo genes OS CCR6. IL12B. STAT3. JAK2. LRRK2. CDKAL1. e PTPN22. [21] A maioria destes genes estao envolvidos em transdução de Sinal na Função imune.

interlectin gene S (ITLN1 ) E expresso no intestino delgado e cólon, e that TAMBEM ESTA envolvido há Reconhecimento de determinados microrganismos não intestino. Outros Estudos de Associação do genoma encontraram Associações Entre a susceptibilidade à Doença de Crohn e de polimorfismos de genes EM Que estao Associados com o Meio intestinal. Um tal Estudo analisou cerca de 20.000 polimorfismos de nucleotídeo Único em 735 individuos com Doença de Crohn. [22] Uma Associação foi encontrada com o ATG16L1 fazer gene, Que codifica uma proteína de 16 Como Relacionados com autofagia, Que ESTÁ envolvido na Via de autophagosome that Processa bactérias intracelulares. [22]

polimorfismos de nucleotídeo único em Outros genes autofagia also demonstraram Associação com a susceptibilidade à Doença de Crohn, Tais Como 2 polimorfismos that flanqueavam um IRGM gene e PODEM Exercer o Controlo Regulamentar PARA O gene. [23] Em SEGUIDA, TEM havido Um certo Número de página Outros Implicados loci de NA através de autofagia Que Tem SIDO Associadas com a Doença de Crohn. [7]

EXISTE UM Forte Apoio Pará genes Os de susceptibilidade-DII não cromossoma 5p13.1, Que É UM gene de deserto, Mas que modulam a Expressão fazer PTGER4 gene. Um murino PTGER4 modelo knockout TEM susceptibilidade significativo parágrafo a colite sepultura. [24] Um grande Estudo genómico de multiplas Doenças confirmou MUITOS dos Resultados that were encontrados em Estudos Anteriores, Bem Como Vários loci Adicionais de Interesse Para a Doença de Crohn. [25]

A predisposição genética Pará uma colite ulcerativa Parece Ser menor em magnitude fazer that a Doença de Crohn, mas E Composto Por Um Conjunto de susceptibilidades genéticas Que Mostra Uma sobreposição significativa com a Doença de Crohn. Um Estudo de Associação do genoma encontrou hum lócus de susceptibilidade previamente Desconhecida em ECM1 e also mostrou loci VÁRIOS Riscos Que São Comuns um Ambos colite ulcerativa e Doença de Crohn. [27] genes ósmio that conferem Risco parágrafo Ambas como Doenças parecem Influenciar o Meio imune do intestino, enquanto that genes OS Que influenciam a Única Doença de Crohn parecem Estar principalmente envolvidos na autofagia. [27, 28]

loci susceptibilidade Adicional Para a colite ulcerosa were encontrados em 1p36 e 12q15. O polimorfismo de nucleotídeo Único 1p36 ESTÁ Perto fazer PLA2G2E fazer gene, uma qua ESTÁ envolvida na Libertação de ácido araquidónico A Partir de fosfolípidos da membrana, Levando um Outros lípidos pró-inflamatórias. O Primeiro Sinal de 12q15 ESTÁ LOCALIZADO Perto do interferão (IFN) -gama, interleucina (IL) -26, e IL-22 genes, enquanto Que o Segundo Sinal de 12q15 ESTÁ LOCALIZADO na IL-26. genes de Estes desempenham hum papel na RESPOSTA imunitária a patogénios, Assim Como OS Processos de Inflamação de Tecidos. [29]

Os Dados sugerem that como Influências genéticas Aumentar o Risco de Uma forma de DII, enquanto Diminui o Risco de Uma Outra. Numa População japonesa, o HLA-Cw * 1202-B * 5201 DRB1 * 1502 haplotipo aumenta o Risco Para a colite ulcerosa, mas reduz o Risco Para a Doença de Crohn. [30] This Descoberta NÃO foi replicada em Outros grupos étnicos. No entanto, Como OS Autores notaram, o antígeno leucocitário humano (HLA) Tipo Em Questão Neste Estudo E relativamente Comum na População japonesa, mas relativamente rara em Populações européias. ELES sugerem Que o tipo de HLA IRA favorecer Uma RESPOSTA imunitária de auxiliar T, parágrafo a eliminação colite ulcerosa, em Oposição a Uma RESPOSTA de IFN-predominante, predispondo Mais Pará a Doença de Crohn. [30]

fumador

O Risco de desenvolver colite ulcerativa E Maior em NÃO fumantes e ex-fumantes fazer that em fumantes Atuais. O Início da colite ulcerativa, ocasionalmente, Parece coincidir com a cessação do Tabagismo; No entanto, ISSO NÃO implica that O Iria Fumo melhorar OS síntomas de colite ulcerativa. Tem havido hum Sucesso limitado com o Uso de Adesivos de nicotina. patients com Doença de Crohn TEM Uma Maior Incidência de Tabagismo fazer that a População em Geral, e Tabagismo Parece Diminuir a RESPOSTA à terapia médica.

Epidemiologia

Estatísticas dos Estados Unidos

Antes de 1960, a Incidência de colite ulcerosa foi varias vezes superiores à da Doença de Crohn. Dados Mais Recentes sugerem Que um Incidência de Doença de Crohn ESTÁ um Aproximar-se da colite ulcerosa.

Anualmente, cerca de 700.000 visitas Ao médico e 100.000 hospitalizações São devido a IBD. [31] Cerca de 1-2 Milhões de Pessoas Nos Estados Unidos TEM colite ulcerativa UO Doença de Crohn, com Uma Incidência de 70-150 Casos POR 100.000 individuos. [32, 33] Em PESSOAS de ascendência EUROPEIA em Olmstead County, Minnesota, um Incidência de colite ulcerativa foi de 7,3 Casos POR 100.000 PESSOAS POR ano, com Uma Prevalência de 116 Casos POR 100.000 PESSOAS; um Incidência da Doença de Crohn foi de 5,8 Casos POR 100.000 PESSOAS POR ano, com Uma Prevalência de 133 Casos POR 100.000 PESSOAS. [34, 35]

Como Diferenças raciais, Sexuais e Relacionadas com a Idade

A EA Incidência Prevalência da Doença inflamatoria intestinal (DII) Entre OS Americanos de ascendência Africano E Estimada Para Ser um MESMA that um Prevalência Entre OS Americanos de ascendência EUROPEIA, COM como taxas Mais Elevadas NAS Populações judaicas da Europa Extração Meio. [36] Ha Uma Maior Prevalência Ao Longo de hum Eixo Norte-Sul Nos Estados Unidos [37] e na Europa, [38], embora como Tendências mostram that a Diferença ESTÁ um Diminuir.

A Relação homem-mulher E de Approximatif 1: 1, parágrafo a colite ulcerosa e Doença de Crohn, com como Fêmeas ter hum ligeiramente Maior Incidência. Ambas como Doenças São Mais comumente diagnosticado em Adultos Jovens (OU SEJA, o último da adolescência à Terceira Década de vida).

A Distribuição etária dos Casos de DII recém-diagnosticados E em forma de sino; o pico de incidencia ocorre em PESSOAS na parte inicial da Segunda Década de vida, com uma grande maioria dos Novos Diagnósticos Feitos em PESSOAS COM Idade 15-40 ano. Um Segundo pico, Pequeno Mais na Incidência ocorre em patients com idades between 55-65 ano e ESTÁ um Aumentar. Approximatif 10% dos patients com DII São Menores de 18 ano.

Estatísticas Internacionais

Como MAIORES taxas de IBD estao a assumida Ser EM countries desenvolvidos, EO menor São considerados NAS Regiões em Desenvolvimento; regions Mais frias do clima e das áreas urbanas TEM Uma Maior taxa de IBD fazer that os de climas Mais Quentes e áreas Rurais. Internacionalmente, a Incidência de IBD E de Approximatif 0.5-24.5 Casos POR PESSOAS 100.000-ano parágrafo a colite ulcerosa e 0.1-16 Casos POR PESSOAS 100.000-ano parágrafo a Doença de Crohn. [31] No Geral, uma Prevalência de IBD E de 396 Casos POR PESSOAS 100.000 anualmente. [31]

Uma Revisão de IBD relataram Que a Prevalência da Doença de Crohn na América do Norte foi 319 POR PESSOAS 100.000, enquanto that na Europa, era 322 POR 100.000 PESSOAS. [32] Como taxas de Prevalência Pará uma colite ulcerosa were 249 POR 100.000 PESSOAS NA América do Norte e 505 POR PESSOAS 100.000 na Europa. A Incidência anual da Doença de Crohn foi de 20,2 POR PESSOAS 100.000-ano na América do Norte, 12,7 POR 100.000 PESSOAS-anos na Europa, e 5.0 POR 100.000 PESSOAS-anos na Ásia e no Oriente Médio, enquanto como taxas de incidencia de colite ulcerativa were 19,2 POR PESSOAS 100.000-ano na América do Norte, 24,3 POR 100.000 PESSOAS-anos na Europa, e 6,3 POR 100.000 PESSOAS-anos na Ásia e no Oriente Médio. Como Análises de Tendência temporal, mostrou Aumentos estatisticamente significativas na Incidência de Doença inflamatoria intestinal Ao Longo do Tempo. [32]

Prognóstico

A taxa de Mortalidade Padronizadas Para a Doença inflamatoria do intestino (IBD) varia de cerca de 1,4 vezes a População em geral (Suécia) a 5 vezes o da População geral (Espanha). A Maior parte Deste aumento Parece Ser na População Doença de Crohn; a População colite ulcerosa Parece ter um MESMA taxa de Mortalidade Como a População los Geral. [39]

A maioria dos Estudos indicam hum Pequeno mas significativo aumento na Mortalidade Associada com DII. [40] Uma causa Frequente de morte em PESSOAS COM IBD E a Doença Primária [41]; Infecções e DPOC Doença / Respiratória São OUTRAS Causas principais de morte. [42] IBD NÃO E UM Fator de Risco Para um Mortalidade cardiovascular. [43]

Uma DISCUSSÃO abrangente Sobre o diagnóstico, Gestão e Vigilância do Câncer colorretal em patients com IBD ESTÁ Além do escopo article of this. INFORMAÇÕES MAIS Pará, CONSULTE OS 2 seguintes orientações:

colonoscópico Vigilância Para uma Prevenção do Cancro colo-rectal EM PESSOAS COM colite ulcerativa, Doença de Crohn adenomas UO. (Instituto Nacional de Saúde e Excelência Clínica (NICE), Londres). [46] http://guideline.gov/content.aspx?id=34830

morbidez

Além de Longo Prazo, Complicações Relacionadas com a Doença, OS PACIENTES TAMBÉM PODEM experimentar a morbidade da terapia médica prolongada, especialmente Como consequencia da Exposição de Esteroides.

Há also Parece Ser hum aumento faz risco Para a DII em patients com asma OU Doença pulmonar obstrutiva crónica (DPOC). Em hum Estudo de coorte retrospectivo de base de populacional de 136.178 individuos com asma e 143.904 individuos com DPOC, Brassard e Os Colegas encontraram hum aumento significativo da Incidência de IBD. Como Incidencias Médias de CD e UC em Pacientes com asma were 23,1 e 8,8 / 100.000 PESSOAS-ano, respectively. Correspondentes figuras em Pacientes com DPOC were 26,2 CD e 17 Casos de UC / 100.000 PESSOAS-ano, respectively. [47, 48]

Em Comparação com a Geral População em, um Incidência de DC em patients com asma e DPOC foi de 27% e 55% superior, e um Incidência de UC foi de 30% Maior Entre aqueles com DPOC. Entre as Crianças Até AOS 10 ANOS DE Idade nenhum grupo com asma e Adultos com idades Entre 50 a 59 sem DPOC grupo, um Incidência de CD foi Mais de Duas vezes Maior Que a observada na Geral População. [47, 48]

morbilidade psicológica afeta patients com DII, especialmente patients Mais Jovens, e São Tipicamente Associados com Depressão e Ansiedade síntomas, mas also exibem comportamentos de externalização. [49] Os Fatores de risco Para a morbidade psicológica parecem incluem o aumento da Gravidade da Doença, menor Nível socioeconômico, se uso de corticosteróides, o estresse dos pais e Idade Mais Avançada no momento do diagnóstico. [49]

A ulcerativa colite

A Media Paciente com colite ulcerativa TEM Uma Probabilidade de 50% de ter Outro surto de Durante OS Próximos 2 anos; não entanto, OS PACIENTES PODEM ter APENAS UM clarão Mais de 25 anos, e Outros PODEM ter uma Doença Quase persistentemente Ativa. Uma Pequena Porcentagem de patients com colite ulcerosa TEM UM Único ataque e NÃO houve recorrência. Tipicamente, remissões e exacerbações São característicos Dessa Doença, com Ataques Agudos Durando Semanas OU meses.

Os patients com colite ulcerativa limitada Ao reto e sigmóide TEM Uma Chance de 50% de Progressão parágrafo Doença Mais extensa Ao Longo de 10 anos [50] e Uma taxa de 7,5% de colectomia Ao Longo de 5 anos. [51] Approximatif 10% dos patients Que se apresentam com proctite Ira desenvolver hum pancolite. [50, 51]

A ressecção Cirúrgica do Pará uma colite ulcerosa E considerado “curativo” Para esta Doença, embora OS PACIENTES PODEM experimentar síntomas Relacionados com a bolsa ileal (J-bolsa), incluíndo bolsite aguda e chronic. Bolsite E MUITO MAIS Comum em patients that tiveram Uma colectomia POR colite ulcerosa fazer that naqueles Que tiveram Uma colectomia parágrafo a polipose adenomatosa familiar.

Doença de Crohn

O Curso clínico da Doença de Crohn E MUITO MAIS Variável fazer that o da colite ulcerosa, ê ê Dependente da Localização anatómica e um Extensão da Doença. remissões Periódicas e exacerbações São uma Regra na Doença de Crohn. A recidiva em taxa de 10 ANOS E de 90%, e uma Probabilidade cumulativa de that requerem Cirurgia Mais de 10 ANOS E de Approximatif 38%. Localização do íleo terminal, fistulizing e Doença estruturação São Fatores de risco Independentes parágrafo Cirurgia posterior. [52]

Uma Revisão da literatura Sugere Que Approximatif 80% dos Doentes Que estao em Remissão de hum ano permanecerá em Remissão nsa ano subsequentes. [53] Os patients com Doença Ativa nenhum ano Passado TEM Uma Chance de 70% de ter Atividade Clínica da Doença não Seguinte ano. Approximatif 20% dos patients Terao recidivas Anuais, e 13% ter vai hum Curso Livre de recaídas. Menos de 5% dos patients com Doença de Crohn terá continuamente Doença activa. [53]

Cirurgia Para a Doença de Crohn E geralmente realizada parágrafo Complicações (Por Exemplo, estenose, estenose, Obstrução, fístulas, hemorragia, or abcesso). A Intervenção Cirúrgica E UMA Importante Opção de Tratamento Para a Doença de Crohn, mas OS PACIENTES devem Estar cientes de that NÃO E curativa e Que a recorrência da Doença Apos uma Cirurgia e Alta, imitando o Padrão de Doença original não locais Cirúrgica da anastomose.

Recorrência de fístula perianal Apos o Tratamento médico OU Cirúrgico E Comum (59-82%). [53] Num Estudo, um ano apos a Cirurgia do Pará a Doença de Crohn, 20-37% dos patients apresentaram síntomas sugestivos de recaída clínica, e Evidência endoscópica de Inflamação Recorrente estava sem íleo neoterminal em 48-93% DOS PACIENTES. [54]

No Geral, uma Qualidade de vida com a Doença de Crohn do Paciente E geralmente Mais Baixa do that um dos individuos com colite ulcerosa. Dados OS sugerem Que em PESSOAS COM colite de Crohn that ENVOLVE Todo o cólon, o Risco de Desenvolvimento de malignidade ê igual Ao that in PESSOAS COM colite ulcerativa; No entanto, o Risco E MUITO MAIS Pequeno (embora fracamente quantificada) na maioria dos patients com Doença de Crohn that ENVOLVE principalmente o intestino delgado. Câncer PODE intestinal tornar-se Uma complicação Mais Importante a Longo-Prazo em Doentes com Doença de Crohn causa de Maior Sobrevivência.

Estudos APOIAR Evidência de that Específica CARD15 Mutações estao Associadas com um Localização intestinal da Doença, Bem Como o Curso e Prognóstico, [8] e ESTÁ correlacionada com uma propensão para o Desenvolvimento de estenose ileal e com hum Início precoce da Doença.

Complicações da Doença IBD

IBD PODE Ser Associado a VARIAS Complicações gastrointestinais, incluíndo o Risco de hemorragia, (colite sepultura aguda complicando) de perfuração, estenoses e fístulas-, Bem Como Doença perianal e Complicações Relacionadas, Tais Como abcessos perianal OU pélvicas, megacólon tóxico e malignidade (colorectal Câncer, cholangiocarcinoma complicando colangite esclerosante Primária).

Complicações extraintestinais ocorrem em Approximatif 20-25% dos patients com IBD. [1] in Alguns Casos, ELES PODEM Ser Mais sintomático fazer that um Própria Doença do intestino. Estes incluem a osteoporose (UMA CONSEQÜÊNCIA geralmente fazer se uso de corticosteróides prolongada), hipercoagulabilidade resultando em tromboembolismo venoso, anemia, Cálculos biliares, colangite esclerosante Primária, úlceras aftosas, artrite, irite (uveíte) e épisclérite e Complicações cutâneas (pioderma gangrenoso, eritema nodoso ).

A Tabela 1, Abaixo, currículo como taxas de Complicações extra-intestinais Mais Comuns em Pacientes com IBD Estados Unidos e Europa.

Tabela 1. Complicações extra-intestinais Comum de IBD Nos EUA e Europa [55]

ver Tabela

A coorte do Estudo Nacional da Suíça IBD also demonstrou OS Riscos de Complicações extra-intestinais de IBD; OS SEUS Resultados estao resumidos nd Tabela 2, Abaixo. [56] Os Fatores de risco de ter Complicações incluidos História da Família e Doença Ativa observada POR APENAS Doença de Crohn; sem Fatores de risco significativos were observados em patients com colite ulcerativa. [56]

Tabela 2. Complicações extra-intestinais da DII EM PACIENTES suíços [56]

ver Tabela

Educação Paciente

Porque a Doença inflamatoria intestinal (DII) E UMA Doença chronic, MUITAS vezes Ao Longo da Vida, Que É frequentemente diagnosticada na Idade adulta Jovem, aumentando o Conhecimento do Paciente melhora a conformidade médica e auxilia na Gestão de síntomas.

Encorajar o Paciente um Aderir a hum grupo de Apoio IBD, Tais Como Crohn OS & Colite Fundação da América. This Fundação PODE fornecer materiais Educativos parágrafo OS PACIENTES E Folhetos Educativos parágrafo Médicos.

Crohn & Colite Fundação da América

733 Third Avenue

New York, NY 10017

História

Os síntomas sistêmicos São Comuns em IBD e incluem Perda de Peso, febre, suores, mal-estar e artralgias. A febre baixa PODE Ser O Primeiro Sinal de alerta de hum surto. Os patients São comumente desgastado, o Que É MUITAS vezes Relacionados com a dor, Inflamação, e anemia Que acompanham a Actividade da Doença. Recorrências PODEM ocorrer com o estresse emocional, Infecções OU Outras Doenças agudas, Gravidez, Problemas Alimentares, se uso de catárticos OU Antibióticos, OU uma Não-Adesão a terapia. A Criança PODE apresentar retardo do Crescimento e atraso OU maturação falhou sexual. Em 10-20% dos Casos, OS PACIENTES apresentam com Manifestações extra-intestinais, incluíndo artrite, uveíte OU Doença hepática (ver Complicações).

Grosseiramente fezes com sangue, ocasionalmente com tenesmo, embora típico de colite ulcerativa, São Menos Comuns na Doença de Crohn. Fezes PODEM formados Ser, mas predominam fezes Soltas se o cólon OU fazer íleo terminal de ESTÁ envolvido extensivamente. Cinquenta POR cento dos patients com Doença de Crohn PODEM apresentar Doença perianal (Por Exemplo, fístulas, abscessos). Direito inferior dor no quadrante Ocasionalmente, aguda e febre, mimetizando apendicite OU Obstrução intestinal, PODE-SE Notar. A Perda de peso E observada Mais frequentemente em Doença de Crohn fazer that na ulcerosa colite, devido à má Absorção Associada à Doença do intestino delgado, intestino delgado fazer UO a Doença PODE actuar Como hum dissuasor do apetite. Além Disso, OS PACIENTES PODEM Recolher a ingestão de Alimentos num esforço parágrafo Controlar OS SEUS síntomas.

A Organização Mundial de Gastroenterologia (WGO) indica OS seguintes síntomas PODEM Estar Associados com Danos inflamatoria não digestivo tracto [1]:

Diarreia: muco OU sangue PODE Estar Presente NAS fezes; PODE ocorrer Durante A Noite; A ocorrer incontinencia PODE

Obstipação: ESTA PODE Ser um sintoma em ulcerosa colite principais, Quando a Doença ESTÁ limitada Ao recto; obstipação PODE ocorrer e PODE Proceder à Obstrução intestinal

anormalidades Movimento do intestino: dor OU sangramento retal PODE Estar Presente, Bem Como um Urgência e tenesmo sepultura

cólicas abdominais e dor: comumente PRESENTES não Quadrante Direito inferior na Doença de Crohn; periumbilically ocorrer OU nenhum quadrante inferior Esquerdo de Moderada uma sepultura, ulcerosa colite

Náuseas e vômitos: ocorre Mais frequentemente na Doença de Crohn fazer that na colite ulcerosa

OUTRAS CONSIDERAÇÕES incluem hum histórico familiares de Doença inflamatoria intestinal, Doença celíaca, or Cancro colo-rectal; o Uso de Medicamentos such Como Antibióticos e drogas anti-inflamatórias Esteroides NAO (NSAIDs); a Presença de Transtornos de humor; o Uso de tabaco; e Viagens Recentes. [1]

Exame físico

Febre, taquicardia, desidratação, e um Toxicidade PODEM ocorrer em patients com Doença inflamatoria do intestino (DII). A palidez TAMBÉM PODE Ser notado, O Que reflecte a anemia. A Prevalência Desses Fatores ESTÁ diretamente relacionada com a Gravidade do ataque.

megacólon tóxico E UMA Emergência médica. Os patients parecem séptico; TEM Alta febre, letargia, calafrios e taquicardia; e ter aumentando dor abdominal, ternura e distensão.

Pacientes com Doença de Crohn PODEM desenvolver Uma massa no quadrante Direito inferior. perianais Complicações (Por Exemplo, fissuras UO perianal fístulas, abcessos, prolapso retal) PODE Ser observada em Até 90% dos patients com ESTA Doença. [2] Sinal de Apresentação Mais Comuns incluem Perda de sangue oculto e febre baixa, Perda de peso e anemia. O Exame MUITAS retal vezes Revela fezes com sangue OU Exame Hemoccult positivo.

retardo de Crescimento PODE Ser o Único Sinal de Apresentação da DII em patients Jovens. O Exame físico DEVE Incluir TAMBÉM UMA Busca por Manifestações extra-intestinais, Tais Como irite, épisclérite, artrite e Envolvimento Dermatológico. (Ver Complicações).

Considerações Abordagem

Vários Estudos laboratoriais São de valor em Ajudar com o Tratamento da Doença inflamatoria intestinal (DII) e fornecer Informação de Apoio. No entanto, Nenhum teste de laboratorio E Específica o Suficiente parágrafo adequadamente e Definitivamente estabelecer o diagnóstico de IBD. Valores laboratoriais PODEM Ser utilizados Como Marcadores substitutos Pará um Inflamação e estado nutricional e de Olhar Pará como deficiências de vitaminas e minerais Necessários. Estudos sorológicos TEM SIDO propostos parágrafo Ajudar a diagnosticar a DII e Pará diferenciar Doença de Crohn da colite ulcerosa, mas os tais Estudos Não São Recomendados Para o diagnóstico de Rotina da Doença de Crohn OU colite ulcerativa.

Em individuos Que São imunossuprimidos, São de Países do Terceiro Mundo, OU Que Tem Uma História de Viagem, intestinal tuberculose (TB) PODE ter de Ser excluido. Em Tais Casos, Derivado de proteína purificado da tuberculina (PPD) OU Ensaios de interferão-gama (Por Exemplo, QuantiFERON®-TB, t-SPOT, teste de TB) PODE Ser indicada, Bem Como uma cultura de amebíase, giardíase, Strongyloides Infecção e Estudos parágrafo histoplasmose e coccidioidomicose. [1] A radiografia de tórax PODEM excluir TB pulmonar, mas ESTA Modalidade de Imagem não exclui TB extrapulmonar. [1]

Estudos de Laboratório

testículos hematológicos

completo hemograma

Componentes OS fazer completo hemograma (CBC) PODEM Ser Indicadores Úteis da Atividade da Doença e ferro OU Deficiência de vitamina. Uma contagem Elevada de Globulos brancos (WBC) E Comum em patients com Doença inflamatoria Ativa e NÃO indica necessariamente Infecção.

Anemia E Comum e PODE Ser tanto Uma anemia de Doença crónica (volume corpuscular Médio geralmente normais [MCV]) OU Uma anemia POR Deficiência de ferro (MCV E frequentemente baixa). A PODE anemia resultar da Perda de sangue aguda OU crónica, um Absorção MA (de ferro, ácido fólico e vitamina B12) OU PODEM reflectir o estado de Doença crónica. Nota Que o MCV PODE Ser Elevado em Doentes a azatioprina Tomar (Imuran) UO 6-mercaptopurina (6-MP). Geralmente, uma contagem de plaquetas E normal, OU Elevado ELE PODE Ser na Definição de Inflamação activa.

Avaliação nutricional: Avaliação de vitamina B12, Estudos de ferro, folato RBC, Marcadores nutricionais

Deficiência de vitamina B12 PODE ocorrer em patients com Doença de Crohn Que Tem uma Doença íleo significativo terminal de UO em patients that tiveram ressecção do íleo terminal. Uma dose Padrão de Substituição de vitamina B12 E de 1000 mg por vía subcutánea (SC), um MES Cada, porqué a por substituição via oral, E MUITAS vezes Insuficiente.

Estudos de ferro de soro devem Ser obtidas no momento do diagnóstico, Porque DII activa E UMA fonte de Perda de sangue gastrointestinal, Tornando Deficiência de ferro Comum. A anemia microcítica hipocrômica Sugere Deficiência de ferro; se Confirmado com ferro sérico CAPACIDADE / Total de Ligação de ferro (TIBC), DEVE ferro Ser substituído, POR Quer via parenteral OU enteral. Para um parentérica substituição, intravenosa (IV) de sacarose de ferro PODE Ser Utilizado, e um Dosagem E baseado Sobre a mesa na bula, com hum Máximo de 30 ml (1500 mg) de Uma Só vez.

OS níveis de VHS e PCR

A taxa de sedimentação de eritrócitos (ESR) e nivel de proteína C-reativa (PCR) São frequentemente utilizados Como Marcadores sorológicos Para a Inflamação, mas Eles Não São Específicos parágrafo IBD. No entanto, a Medição de Marcadores Inflamatórios Tais also Ajuda na Actividade da Doença de Monitorização e Resposta ao Tratamento. Um Pequeno mas significativo Número de patients com Doença de Crohn UO uma colite ulcerativa PODE nao tem níveis Elevados de VHS Ou de PCR AINDA na Definição de Inflamação activa significativa. Além Disso, Os Marcadores Inflamatórios Elevados PODEM SER NA Definição de Infecções intestinais extra-intestinais UO sobrepostas.

níveis de calprotectina fecal

calprotectina fecal TEM SIDO proposto Como hum marcador substituto Não-invasiva de Inflamação intestinal em IBD. [58] Como neoplasia colorretal e Infecção gastrointestinal also Aumentar calprotectina fecal, ESSE marcador NÃO ESTÁ em OSU generalizado. Nota-se that Familiares de patients com IBD TAMBÉM PODEM ter níveis Elevados de calprotectina fecal (com graus desconhecidos de Inflamação). [58]

sorológicos Estudos

pANCA e testículos ASCA

Anticorpos anticitoplasma de neutrófilos perinuclear (panca) identificados were in patients Alguns com colite ulcerativa, e anti-Saccharomyces cerevisiae Anticorpos (ASCA) encontrados were EM PACIENTES COM Doença de Crohn. A Combinação de pANCA negativo e positivo ASCA TEM Elevada especificidade Pará uma colite ulcerativa, enquanto Que a ASCA inversa Padrão-positivo, negativo pANCA-e Mais Específico Para a Doença de Crohn. [1] Não entanto, OS RESULTADOS Falso-Positivos (e falso-negativos) Não São incomuns; portanto, momento Neste, Marcadores sorológicos NÃO PODE Ser USADO parágrafo Descartar Definitivamente não UO excluir Uma Doença inflamatoria intestinal (DII).

Nota-se that Uma variante da Doença de Crohn em especial envolvendo o cólon PODE resultar em hum teste pANCA positiva, O Que PODE complicar o diagnóstico. RESPOSTA um soro anti-CBir1, um anticorpo Associado com a Presença de Doença inflamatoria intestinal, foi mostrado de para diferenciar Panca Resultados Positivos EM colite ulcerosa contra Doença de Crohn Colite ulcerosa semelhante. [61]

Pacientes com Doença de Crohn Que Tem hum Maior Número de ASCA positivo PODE Estar em Maior Risco de Complicações, Tais Como estenoses e fístulas, e ELES TAMBÉM PODEM Estar em hum Risco Mais Elevado Para uma Cirurgia. No entanto, Marcadores sorológicos NÃO aparecem parágrafo Prever a Resposta ao Tratamento clínico, e Não Há atualmente Evidências suficientes para recomendar o Uso de testículos de Anticorpos Para Prever como Respostas Ao Tratamento OU Cirurgia em Pacientes com DII. [61]

Estudos de fezes

Antes de Fazer hum diagnóstico definitivo de Doença inflamatoria idiopática intestinal (DII), executam UMA Cultura de fezes, óvulos e Estudos de Parasitas, cultura patógenos bacterianos e Avaliação Pará Clostridium difficile Infecção. [3] No Mínimo, Uma C difficile Ensaio de toxina DEVE Ser executada em QUALQUÉR Paciente hospitalizado com Uma crise de colite, colite pseudomembranosa Porque è comumente sobreposto IBD colite. Nota-se that o Nível do marcador inflamatório calprotectina NAS fezes correlaciona-se significativamente com a Inflamação do cólon em colite ulcerativa Ambos e Doença de Crohn. [62]

Avaliação Pará citomegalovírus DEVE SER Refratários realizada em Casos colite EAo Esteroides. [1] amebíase PODEM Ser dificeis de identificar a Partir das fezes; portanto, considerar o teste sorológico.

Como MUITOS Como 50-80% dos Casos de ileíte terminal de de aguda PODE Ser DEVIDA um Yersinia Infecções enterocolite. ISSO Produz Uma Imagem de pseudoappendicitis. Tal Como Acontece com IBD, yersiniosis TEM Uma Elevada Frequência de Manifestações secundarias, Tais Como eritema nodoso e artrite monoarticular. ASSIM, nenhum Certo contexto clínico, Uma Suspeita de Yersinia DEVE considerado ser.

radiografia

peito de pé abdominal e radiografia

radiografia abdominal PODE permitir a Avaliação dos rins, ureteres, bexiga e Pará litíase renal e OS Corpos vertebrais parágrafo osteopenia OU osteoporose e sacroileíte. Se a colite fulminante sepultura ESTÁ Presente, uma radiografia abdominal PODE Revelar hum cólon edematoso, irregular thumbprinting com (ver a Imagem Abaixo Sagres). Ocasionalmente, pneumatose coli (AR na Parede do cólon) PODEM Estar PRESENTES. ar Livre e Evidência de megacólon tóxico, o qua Aparece Como hum Longo segmento Contínuo do cólon Cheio de ar Maior do Que seis centímetros de Diâmetro, Uma indica Emergência Cirúrgica. (Veja como Imagens abaixo).

radiografia simples de abdome de hum Paciente com colite ulcerosa conhecido Que se apresentou com Uma exacerbação de SEUS síntomas. This Imagem Mostra o Polegar.

tóxico megacólon. Cortesia do Dr. Pauline Chu.

Na Doença de Crohn, como áreas de estreitamento de segmentar com Perda de mucosa normal, Formação de fístula, EO Sinal de Cadeia (UMA banda Estreita de Bario Que Flui atraves de Uma área inflamada OU cicatrizado) há íleo Terminal de São Tipicamente observados EM radiografias ( Veja como Imagens abaixo). Alguns patients COM colite ulcerativa tambem demonstram alterações inflamatórias nenhum terminal íleo (ileíte), mas estas Descobertas nao tem o Padrão de Ir Que É Característica da Doença de Crohn.

fístula enteroentérica anotado nenhum segmento do intestino delgado de filmes de Raios-x em hum Paciente com Doença inflamatoria intestinal. Os Segmentos estreitos de aparencia Cheia ou.

O segmento do intestino delgado OU intestino delgado auxiliar follow-through (Veja uma Abaixo Imagem), PODE Revelar um Inflamação, PODE na Avaliação do comprimento estenose e Gravidade, e PODE Ajudar a determinar a Abordagem Cirúrgica Mais adequada. Fístulas PODE Ser demonstrada em filmes A Partir de hum segmento do intestino delgado, MESMO Que Eles Não São sugeridas com base de em Avaliação clínica.

Cobblestoning na Doença de Crohn. vistas sem fazer locais íleo terminal de A Partir de hum Estudo de Acompanhamento atraves do intestino delgado demonstra longitudinal linear e transver.

Embora OS radiologistas PODEM observar NAS alterações sugeridas no ceco OU cólon ascendente when o Bario A Partir de hum segmento do intestino delgado Entra no cólon, confirmação Independente DEVE Ser Procurado Porque a Presença de fezes e diluição fazer Bario Fazer Uma Interpretação Correcta dos Resultados Do cólon Difícil.

O segmento do intestino delgado E geralmente Suficiente Para a Avaliação de intestino delgado Doença de Crohn; Não entanto, em Casos Raros, PODE Pagar Uma Visão inadequada do terminal de íleo, necessitando de Uma enteroclysis.

Intestino delgado Enteroclysis e fistulografia

Enteróclise Pequeno intestino Difere de hum segmento do intestino delgado, em Que hum tubo nasoentérico OU oroenteric E colocado e o material de de contraste de e instilada Directamente Para o intestino delgado. This E normalmente realizada when Detalhe fino da mucosa intestinal, E Necessário UO o intestino delgado distai NÃO E adequadamente Vistos nenhum segmento do intestino delgado devido a diluição do agente de contraste à Medida Que passa atraves fazer (dilatada geralmente) intestino delgado.

Estudos em fistulographic, contraste TAMBÉM PODE sor inserido diretamente em Uma fístula enterocutânea, um Fim de Ajudar a determinar o Curso da fístula na Expectativa de Correção Cirúrgica e Pará auxiliar na Orientação da Abordagem Cirúrgica.

A ultra-sonografia

A ultra-sonografia (US) E UMA Técnica Não-invasiva no diagnóstico da Doença de Crohn. Embora ESTA Técnica TEM Uma Sensibilidade de 84% e Uma especificidade de 92%, Que Tem Menos Precisão when a Doença ESTÁ localizada proximal Ao terminais de ílio. [63] A ultra-sonografia, Ressonância Magnética (MRI) e tomografia Computadorizada de Varredura (CT) TEM Precisão semelhante para todo o intestino e São confiáveis ​​na identificação de fístulas, abscessos e estenose; Não entanto, US PODE Levar um falsos Positivos Para abcessos. EUA e Ressonância Magnética São MUITAS vezes preferível uma tomografia Computadorizada Por Causa da falta de Radiação, especialmente em Pacientes Mais Jovens. [63]

CT Scanning e Ressonância Magnética

Como CONCLUSÕES Sobre a tomografia Computadorizada (TC) do abdômen e da pelve PODE Ser Muito sugestivo de Doença inflamatoria intestinal (DII). espessamento da Parede do intestino na TC E inespecífico e PODE ocorrer A Partir de contração do músculo liso Sozinho, especialmente na ausencia de OUTRAS alterações inflamatórias extra-intestinais; No entanto, a Presença de alterações inflamatórias (Por Exemplo, mesentérica encalhe de Gordura, aumento da Parede, aumento da vascularização ["Sinal de comb"]) Aumenta significativamente o valor preditivo da tomografia Computadorizada.

A TC E o ideal Estudo para determinar se o Paciente TEM abcessos, e ELE PODE Ser USADO parágrafo guiar uma drenagem percutánea destes abcessos. Fístulas TAMBÉM PODE Ser detectado na tomografia Computadorizada. A TC E Melhor Para demonstrar abscessos intra-abdominais, Inflamação mesentérica, e fístulas. (Veja como Imagens à Seguir).

Este tomografia Computadorizada de hum Paciente com Doença de Crohn ileal terminal de de Mostra Uma fístula enteroenteral (seta) Entre OS laços de Pequeno Doente.

tomografia Computadorizada Que descreve a Doença de Crohn sem Fundo do estomago

O Uso de Ressonância Magnética (MRI) foi validado em hum Estudo prospectivo that this comparou Modalidade de Imagem com o Padrão Disease Index endoscópica de Crohn da Severidade (CDEIS). [64] RM avaliada com Precisão uma espessura da Parede intestinal, a Presença e o grau de edema, e úlceras EM PACIENTES COM Doença de Crohn. Este Estudo confirmou that, atraves de aumento de contraste Relativo (RCE), MRI PODE desempenhar UM papel essencial parágrafo Prever uma Atividade da Doença e da Gravidade da Doença de Crohn. [64] Para Além Disso, pélvica Ressonância Magnética TEM Uma Maior Sensibilidade Para o diagnóstico de Complicações perirretais de Doença de Crohn.

CT enterografia

Sigmoidoscopia colonoscopia e Flexível

colonoscopia

A PT Uma colonoscopia das Mais valiosas Ferramentas Disponíveis PARA O médico sem diagnóstico e Tratamento da Doença inflamatoria do intestino (IBD), embora como SUAS limitações devem Ser reconhecidas. Em lugar Primeiro, Nem todos Inflamação da mucosa E idiopática IBD. Causas infecciosas de Inflamação devem Ser sempre considerados, Como desen diverticulite e isquemia (that São MUITO MAIS Comuns à Medida Que Novos Diagnósticos em Uma População de Idosos fazer that IBD, apesar da colonoscopic semelhante e aparencia histológica).

QUANDO USADO adequadamente, uma colonoscopia PODE Ajudar a determinar a Extensão e Gravidade da colite, auxiliar na Orientação do Tratamento, e fornecer Tecidos Para Ajudar no diagnóstico. Em Mãos habeis, o colonoscópio PODE MUITAS vezes atingir o íleo terminal de e permitir Uma Avaliação da Inflamação Para auxiliar no diagnóstico OU Exclusão da Doença de Crohn. A PODE Inflamação ocorrer ocasionalmente nenhum terminal íleo, em patients com colite ulcerativa; este è referido Como hum ileíte retrolavagem e e leve, E nonulcerating, e PODE ocorrer when Uma válvula ileocecal amplamente patente ESTÁ Presente. (Veja como Imagens à Seguir).

colite sepulturas observadas Durante uma colonoscopia em hum Paciente com Doença inflamatoria intestinal. A mucosa E grosseiramente desnudado, com sangramento Ativo observou. O p.

Estenose nenhum terminal íleo observado Durante uma colonoscopia em hum Paciente com Doença inflamatoria do intestino. This Imagem Mostra hum u Visível segmento estreitado.

A colonoscopia OU sigmoidoscopia Revela Que o recto E Quase sempre envolvida na ulcerosa colite, mas è frequentemente poupado na Doença de Crohn. A Doença PODE Ser limitada Ao recto (proctite); Ao reto, sigmóide e cólon descendente (do Lado Esquerdo colite); OU PARA O Inteiro Colon (pancolite). A ulcerativa NÃO ENVOLVE QUALQUÉR Outro segmento colite fazer tracto GI. Colectomia E curativa.

Um com ileoscopia colonoscopia na Avaliação da Doença de Crohn TEM Uma Sensibilidade de 74% e Uma especificidade de 100%, Levando um hum valor preditivo positivo de 100% Como hum teste de diagnóstico. [68] QUANDO emparelhado com intestino delgado follow-through, uma Sensibilidade Deste par de testículos de diagnóstico E Aumentada parágrafo 78%, com hum valor preditivo positivo contínuo de 100%. [68]

A colonoscopia TAMBÉM PODE Ser utilizada parágrafo Intervenção Terapêutica em Doentes com IBD. A utilização Terapêutica Mais Comum E a dilatação das estenoses em PESSOAS COM Doença de Crohn. Faça cólon, da anastomose, e Até MESMO Pequenas estenoses intestinais MUITAS vezes PODE Ser dilatado POR pneumático Que atravessam uma abrangência dilatadores. Injeção intralesional de Esteroides (Exemplo POR, triamcinolona a 5 mg em 4 Quadrantes) Ajudar PODE, mas geralmente E de valor Transitorio e AINDA TEM Que Ser assessed em Ensaios Clínicos controlados.

Os patients com DII Que São submetidos a Procedimentos endoscópicos PODEM ter taxas de complicação Mais Elevadas fazer that um Geral População em. Os Riscos de colonoscopia aplicar (Por Exemplo, reacção à medicação, sangramento, perfuração), e o Risco de hemorragia E Aumentada na Presença de Inflamação. O Risco de perfuração E TAMBÉM aumentou, especialmente em patients Que tomam altas doses de Esteroides a Longo Prazo UO Que Tem colite sepultura.

sigmoidoscopia Flexível

sigmoidoscopia Flexível E Útil parágrafo hum diagnóstico preliminar em patients com diarréia chronic OU sangramento retal; No entanto, Por Causa do comprimento limitado fazer Âmbito de Aplicação (60 cm), de forma PODE Ajudar a diagnosticar a colite ulcerativa distai OU proctite. Raramente, Crohn da colite PODE Ser base de diagnosticada com nsa ACHADOS sigmoidoscopia Flexível. Nota-se that um Inflamação sigmóide, particularmente em patients Mais Idosos, PODEM SER confundidos com diverticulite OU isquemia.

Endoscopia digestiva Alta

Orientações PARA O USO da endoscopia no diagnóstico e Tratamento de IBD estao Disponíveis a Partir da American Society for Gastrointestinal Endoscopy. [70]

enteroscopia

enteroscopia Capsule

Em enteroscopia cápsula, o Paciente engole Uma Câmera de Vídeo encapsulado Que transmite Imagens para hum fóruns receptores do Paciente. E Mais comumente USADO parágrafo Encontrar Fontes obscuras da gastrintestinal (GI) a Perda de sangue, como Imagens PODEM Encontrar ulcerações Associados à Doença de Crohn se endoscopia digestiva Alta e colonoscopia São unrevealing. Em hum Estudo, a taxa de detecção de anormalidades foi de 70,5% parágrafo OS PACIENTES COM Suspeita de Doença não intestino delgado, EO Rendimento diagnóstico parágrafo patients com sangramento gastrointestinal obscuro foi Maior (85,7%) fazer that parágrafo OS PACIENTES COM dor diarreia OU abdominal (53,3%). [71]

enteroscopia Capsule TAMBÉM PODE Ajudar sem diagnóstico de intestino delgado Doença de Crohn when a Investigação diagnóstica Padrão com Uma endoscopia colonoscopia e negativo de e superior. [1]

enteroscopia duplo balão

Duplo balão enteroscopia, or profunda enteroscopia fazer intestino delgado, E UMA Técnica Pela qua hum Longo enteroscópio E Passado PARA O intestino usando hum overtube. Tanto o endoscopio e um overtube TEM Balões Que PODE Ser insuflado e desinsuflado sequencialmente when o endoscopio E Avançado NUMA "inchworm" moda. Avaliação de Sucesso de todo o intestino delgado, com this Técnica e relatada Como Sendo Tão Elevada Como 86% GAT Baixo Quanto 23%. [72, 73, 74, 75] No entanto, OS PACIENTES Que tiveram uma Cirurgia anterior TEM Uma Maior taxa de complicação (perfuração) com ESTA Técnica em relaçao a OUTRAS Técnicas de Imagem intestino delgado.

ACHADOS histológicos

A ulcerativa colite

A colite ulcerosa E UMA Inflamação superficial da Parede do intestino Quase Exclusivamente limitada Ao intestino grosso (Quando o ceco ESTÁ envolvido, PODE haver Alguma Inflamação no íleo Maior distal, o Chamado "backwash ileíte"). APENAS em Casos Mais complicados, Tais Como a Evolução em megacólon tóxico São como Camadas Mais Profundas da Parede do intestino envolvido com o Processo inflamatório.

Inflamação na colite ulcerativa Quase sempre ENVOLVE o recto e e contigua, independentemente da Extensão do cólon envolvido. A excepção a ESTA Regra E that um Inflamação inicial aparecerá Durante irregular uma colonoscopia, logotipo realizada Que É não Início do Processo de colite ulcerativa, embora Amostras de biópsia da mucosa Intervir aparencia normal, MUITAS vezes revelam Inflamação. A da Inflamação intestinal colite ulcerosa ENVOLVE Apenas o cólon. biópsias demonstram infiltrado neutrofílico juntamente com abscessos da cripta e distorção cripta. granulomas OS NAO ocorrem na ulcerosa colite. (Veja como Imagens à Seguir).

Mudanças arquitetônicas Crónicas na colite ulcerosa. Nota-se uma ramificação cripta e irregularidade fazer * Tamanho e forma, com hum aumento em inflamma crónica.

Um abscesso cripta Demonstrando Inflamação Ativa, neutrofílica na Doença de Crohn

Considerações Abordagem

Os 2 Objetivos da terapia São uma Realização de Remissão (Indução) e uma Prevenção de recidivas da Doença (Manutenção). Nota-se that Uma Abordagem top-down, com uma INTRODUÇÃO antecipada de Produtos Biológicos e imunomoduladores, E frequentemente defendida para Prevenir Complicações. [76]

O cuidado de hum Paciente com Doença inflamatoria do intestino (IBD) PODE Ser OU médica OU Cirúrgica na Natureza OU, EM MUITOS patients, Uma Combinação de Ambos. O algoritmo de Gestão also E Dependente de se o diagnóstico e A Doença de Crohn OU colite ulcerativa. Uma Abordagem médica parágrafo patients com IBD e tanto Tratamento sintomático (OU SEJA, Alívio dos síntomas) e cicatrização da mucosa na Sequência de Uma Abordagem gradual à medicação, com escalada do regime médico Até Que Uma RESPOSTA SEJA alcançado.

Terapia sintomática / Cuidados de Suporte

sintomática Terapêutica

Para Além do Tratamento da Inflamação subjacente, OS PACIENTES COM Doença inflamatoria do intestino (IBD) PODEM necessitar de terapia sintomática, especialmente QUANDO OS SEUS síntomas NÃO estao Relacionadas com Inflamação activa. O Tratamento de COM Agentes antidiarréicos, evitadas Como loperamine OU difenoxilato / Atropina devem SER em patients com Inflamação activa, Uma Vez Que Estes Medicamentos PODEM precipitar megacólon tóxico em individuos com Inflamação do cólon significativo. Da MESMA forma, Outros Agentes Que PODEM ter Efeitos anticolinérgicos DEVE Ser evitada, embora Medicamentos antiespasmódicos PODE POR vezes Ser Útil Para o Alívio sintomático. Em patients com Doença de Crohn Que Tem uma Doença ileal significativo UO Que tenham Tido Uma ressecção ileal, uma diarréia PoDE SER POR vezes devido à ma Absorção de sais biliares. Em Taís patients, o Tratamento com resinas de Ligação biliares, Tais Como colestiramina, Útil PODE Ser na Gestão da diarreia.

O Tratamento de Suporte

flares DII em patients com Doença leve a Moderada geralmente São geridos em regime de Ambulatório. No entanto, Uma Importante e, Por vezes negligenciado Preocupação nenhuma Tratamento da DII E um Dosagem e uma Duração da utilização da terapia com corticosteróides. Para hum alargamento de Gravidade Moderada, a dose Uma de prednisona de 20-40 mg / dia OU equivalente E MUITAS vezes Suficiente parágrafo TRATAR como chamas. Uma vez Que OS síntomas São controlados, Uma Progressão afilamento dedicado fazer esteroide segue.

Os patients São candidatos parágrafo imunomoduladores (azatioprina, 6-mercaptopurina, metotrexato) OU Agentes anti-TNF (infliximab, adalimumab, certolizumab pegol) e Agentes Biológicos se flares São Frequentes (gt; 1-2 vezes), se a Duração do Uso de Esteroides E prolongada (Mais de algumas Semanas POR ano), Se a Redução da dose de de Esteroides provoca recorrência dos síntomas (Dependente esteroide), OU SE OS Esteroides NÃO Parece Estar FUNCIONANDO (esteroide refratário).

Um Problema de Manutenção da Saúde de especial importancia parágrafo OS PACIENTES COM DII E UMA Redução na Densidade óssea devido à diminuição da Absorção de Cálcio (devido Ao Processo de Doença subjacente) UO a utilização de corticosteróides. A osteoporose E UMA complicação Muito sepultura, that ENVOLVE 40% de patients com DII, e aumenta o Risco de fracturas. De Todos os patients Que Tem USADO Esteroides Durante Mais de 3 meses, Bem Como Mulheres pós-menopáusicas, devem Ser submetidos a testes com Estudos de Densidade óssea; Tratamento com bifosfonatos e Suplementos de Cálcio PODE Ser Iniciado em Doentes com significativamente baixa Densidade óssea.

Visão Geral da Terapia Stepwise

Uma Abordagem Passos POR (ágora geralmente referidos Como uma Abordagem Passo-SE), tal Como descrito NAS secções seguintes, PODEM Ser Tomadas em Ligeira a Moderada, Doença inflamatoria do intestino (DII).

O Primeiro Passo na terapia medicamentosa parágrafo IBD E geralmente aminosalicilatos. Existem varias aminosalicilatos Diferentes, mas Nenhum DELES FOI consistentemente demonstrado SER EAo superiores Outros Pará patients de Todos os. Estes Agentes parecem ter Maior eficacia Para o Tratamento de colite ulcerosa fazer that Pará uma Doença de Crohn, PARA O qua OS Dados de eficacia São limitados. Para a Doença de Crohn, metronidazol OU ciprofloxacina E USADO ocasionalmente, em parágrafo especial, uma Doença perianal OU Uma massa inflamatório.

Se a Condição do Paciente NÃO responder a doses Uma adequada de amino-salicilatos, o Segundo Passo E MUITAS vezes corticosteróides, Os Quais tendem a proporcionar Alívio Rápido dos síntomas e Uma diminuição significativa da Inflamação. [84] A gama Mais Comum parágrafo alargamentos moderados da DII E prednisona por via oral a 10-40 mg / dia; Para alargamentos MAIS sepulturas, uma extremidade superior, da Gama e utilizada (ocasionalmente em doses NÃO Superiores a 60 mg / dia). Uma vez that Uma RESPOSTA clínica E visto, um afunilada dose de E. A maioria dos patients Que Usam corticosteróides orais PODEM tolerar Uma inclinação relativamente Rápida APOS Uma RESPOSTA E alcançada; ocasionalmente, um cone de Esteroides Muito prolongado E Necessário para Prevenir uma recidiva em Doentes Que tiveram Uma Exposição prolongada a Esteroides sem Passado. Incapacidade de cone Para Baixo OS Esteroides sem recorrência dos síntomas DEVE provocar DISCUSSÃO Sobre o Uso de drogas Alternativas (imunomoduladores UO terapia anti-TNF).

Passo I – Aminossalicilatos

OS 5 preparações aminosalicylate orais available parágrafo USO Nos Estados Unidos São sulfassalazina (Azulfidine), mesalamina (Asacol, Asacol HD, Pentasa, Lialda, Apriso), balsalazide (Colazal) e olsalazina (Dipentum). Enema e formulações de supositorios, also available estao. Todos Estes São Derivados de 5-amino-salicílico ácido (5-ASA); Como principais Diferenças São nenhuma Mecanismo e fazer locais de Entrega. Alguns destes Agentes TAMBÉM TEM Efeitos adversos UNICAS com falta de Outros Agentes Dessa classe.

Doentes Pará em Remissão de colite ulcerosa distai, or via oral rectal 5-ASA PODE Ser USADO parágrafo Gerir uma Doença, Bem Como hum regime de Combinação POR via oral, tópica e 5-ASA. [1] no Tratamento da Doença rectal, rectal 5-ASA E preferido Sobre Esteroides rectais. [1] Uma RESPOSTA uma dose TEM SIDO descrito em Relação à utilização Desses Agentes parágrafo a colite ulcerativa. Para a Doença Moderada, Uma dosagem de 4,8 g / dia de mesalamina TEM SIDO demonstrado Ser Mais Eficaz fazer that 2,4 g / dia. [87]

Agentes probióticos

A suplementação das Misturas de probióticos de Alta Potência (Exemplo POR, VSL # 3 [25, 88, 89]) TEM Results Display Resultados Sido em Alguns Relatórios parágrafo Recolher escores do índice de Atividade da Doença colite ulcerosa em patients com Ligeira a Moderada recidivante colite ulcerosa Que estao Sendo Tratados com 5-ASA. Estudos em patients com Doença de Crohn TEM SIDO Muito Menos promissora.

Passo IA – Antibióticos

O metronidazol e ciprofloxacina Antibióticos São OS Antibióticos Mais geralmente Usados ​​em PESSOAS COM Doença inflamatoria do intestino (DII). De according com Uma Avaliação sistémica, anti-tuberculosas terapia, macrólidos, fluoroquinolonas, 5-nitroimidazóis, e RIFAXIMINA (isoladamente OU em Combinação) consistentemente Não foram Results Display Resultados parágrafo induzir um Remissão em Doença de Crohn activa selectiva e raramente were Results Display Resultados parágrafo induzir um Remissão de colite ulcerosa. [90]

Os Antibióticos São Usados ​​APENAS moderadamente em PESSOAS COM colite ulcerosa Por Causa da eficacia do Tratamento limitado e Por Causa de hum aumento faz risco de Desenvolvimento de colite pseudomembranosa Associada a Antibióticos. Em PESSOAS COM Doença de Crohn, OS Antibióticos São utilizados parágrafo Varias Indicações, Mais geralmente parágrafo a Doença perianal, fístulas, e Massas inflamatórias intra-abdominais.

Os Antibióticos TEM Efeitos adversos potenciais, incluíndo náuseas, anorexia, diarréia e Infecções monilial (Candida). A neuropatia Periférica PODE Ser observado em Associação com metronidazol e, Presente when, requer a interrupção da terapia com a droga. Por FIM, OS Antibióticos TAMBÉM PODEM Aumentar o Risco de Clostridium difficile colite.

Etapa II – corticosteróides ósmio

Os corticosteróides São Agentes anti-Inflamatórios de Acção Rápida utilizados no Tratamento da Doença inflamatoria do intestino (DII). Estes Medicamentos São indicados parágrafo Ataques agudos de APENAS uma Doença e nao tem hum papel na Manutenção da Remissão.

Como Complicações potenciais de Utilização de corticosteróides incluem anormalidades de Fluidos e eletrólitos, osteoporose, necrose óssea avascular, úlceras pépticas, catarata, glaucoma, neurológicos e endócrinos disfunções, Complicações infecciosas e Distúrbios psiquiátricos ocasionais (psicose incluíndo).

O Tratamento consensus em Relação com Estes Agentes E that they devem Ser reduzida Uma Vez Remissão induzido foi. (Veja Intervenção Cirúrgica, Abaixo, Pará Obter Informações Sobre corticosteróides afinando sem Cenário pós-operatório). Os corticosteróides Não Tem hum papel na Manutenção da Remissão.

A Avaliação periódica da Densidade mineral óssea E Recomendado parágrafo patients Que tomam Esteroides POR Mais de 3 meses. [91] Os Agentes utilizados Para a Prevenção e Tratamento da osteoporose (Por Exemplo, bisfosfonatos OS) São Úteis Para a Prevenção da Perda óssea Associada com a utilização de corticosteróides.

corticosteróides intravenosos

corticosteróides intravenosos São Usados ​​frequentemente em patients Que estao gravemente Doentes e hospitalizadas; poucos Dados were publicados Sobre a Dosagem de IV OU ideal corticosteróides orais. A extremidade superior, da Dosagem geralmente inclui IV metilprednisolona a 20 mg uma each 6 horas UO IV hidrocortisona a 100 mg de um each 8 horas. Tipicamente, Uma Vez Que Uma RESPOSTA clínica E observada (usualmente Dentro de 3-5 dias), uma dose do corticosteróide IV PODE Ser afunilada. Antes da Alta hospitalar, uma Conversão parágrafo hum corticosteróide por via oral E Feita com um Dosagem afinando em regime de Ambulatório.

corticosteróides orais

QUANDO São utilizados corticosteróides orais, um e Variável Dosagem, e poucos Dados were publicados Para orientar um Dosagem ideal. A gama Mais Comum parágrafo erupções moderadas de IBD E prednisona a 10-40 mg / dia. Para erupções Mais sepulturas, doses Até PODE Ser Utilizado 60 mg / dia, mas Não Há Dados de Suporte. Uma vez that Uma RESPOSTA clínica E visto, um afunilada dose de E. A maioria dos patients Que Usam corticosteróides orais PODEM ocasionalmente tolerar hum cone relativamente Rápida APOS Uma RESPOSTA E alcançada; Uma vela esteroide prolongada raramente E necessaria para Prevenir recaídas. QUANDO A Última Situação ocorre, considerá escalada da terapia com o Uso de Medicamentos Alternativos (modificadores imunes UO terapia anti-TNF).

Budesonida (Entocort CE), um corticosteróide sintético, Esta Disponível Para a Doença de Crohn com ileal OU Envolvimento ileocecal. [71] A budesonida TEM UM extenso metabolismo de Primeira Passagem, O Que LIMITA OS EFEITOS adversos sistêmicos. [91] No entanto, Alguma Absorção ocorre Ao Longo de hum Período prolongado de Exposição. Budesonida also E Menos Eficaz fazer that Outros glucocorticosteroides Padrão Para o Tratamento da Doença de Crohn ileal e NÃO demonstrou eficacia na Manutenção da terapia Para Além de 12 meses. [90]

De according com a American Gastroenterological Association (AGA) orientações, preparações de íleo de Libertação de budesonida São indicados PARA O Tratamento de patients com Insuficiência renal Ligeira ileal e Doença de Crohn do cólon do Lado Direito a Moderada. [91] estas preparações nao tem SIDO demonstrado Ser Eficaz em patients com colite ulcerosa, mas OS Ensaios Clínicos Nesta Definição estao em Curso. [91]

Os corticosteróides Tópicos

Os corticosteróides Tópicos São Usados ​​em PESSOAS COM Doença do cólon distai de hum MoDo semelhante Ao da mesalamina tópica; Um principal Diferença E that MESMO Que a mesalamina tópica PODE Ser USADO parágrafo Ajudar a Manter um Remissão, corticosteróides Tópicos São utilizados Para a Doença activa e TEM APENAS UM Pequeno papel na Manutenção da Remissão. De according com como Diretrizes a AGA, a terapia tópica UO com hidrocortisona (Evidência A) OU budesonida (Recomendação de grau B) e Eficaz Para um Inflamação do cólon distal em patients com Ligeira a Moderada IBD. [91]

Os patients com colite ulcerosa com Doença predominantemente distal PODE Ser TRATADO COM budesonida tópica, um esteroide sintético, Que Tem Efeitos anti-Inflamatórios LOCAIS e Efeitos sistémicos limitados. [92] Embora budesonida tópica e Eficaz, Novas formulações de Libertação Controlada orais TEM SIDO desenvolvidos Pará permitir o Tratamento de todo o cólon. [92]

corticosteróides retal

Cortenema, Cortifoam, e Anusol-HC supositorios São Úteis sem Tratamento da Doença distal (proctite e proctosigmoidite).

Passo III – Imunomoduladores

modificadores imunes TEM UM Início Mais lento de Acção (Tipicamente, um de 2 a 3 meses desfasamento) e, consequentemente, Não São utilizados Para a Indução de Remissão. No entanto, Estes Agentes TEM mostrado eficacia parágrafo um SUA Acção poupadores de esteroide em PESSOAS COM Doença REFRACTARIA; ELES TAMBÉM São Usados ​​Como Tratamento primário parágrafo fístulas e Manutenção da Remissão em Pacientes intolerantes UO NÃO respondem a aminosalicilatos.

O imunomoduladores 6-mercaptopurina (6-MP) e azatioprina (AZA) utilizados em São patients com Doença inflamatoria do intestino (DII) nos Quais Remissão E dificil de MANTER APENAS COM OS amino-salicilatos. Os Inibidores de calcineurina Como ciclosporina A (CsA) e tacrolimus, Bem Como o metotrexato (MTX), São also Agentes de modificação de imuno- [1]; CSA ESTÁ Quase Exclusivamente limitada a aguda sepultura colite, Ao Passo Que o tacrolimus TEM SIDO Utilizado em Ambas como Doenças de Crohn perianal e colite ulcerativa. [1]

Dados OS Sobre MTX APOIAR o Uso de MTX intramuscular na Doença de Crohn, mas cessos Dados São carentes de colite ulcerativa. O Único Ensaio de MTX na colite ulcerativa usou Uma terapia de dose de baixa oral [93]; SE UM MTX orais de doses Mais Elevada OU MTX parentérica (intramuscular ou SQ) PODE Ser Eficaz na colite ulcerosa NÃO foi estudado. Diversos Ensaios Clínicos demonstraram that AZA Continuação em patients com colite ulcerativa impedido recaída, em Comparação com aqueles Que descontinuaram a medicação. No entanto, Outros Estudos TEM mostrado Tendências, mas Nenhum Benefício estatisticamente significativo da AZA na colite ulcerosa. [94]

Agentes tiopurina

Efeitos adversos e monitoramento

Uso de modificadores imunes Exige Monitorização dos Parâmetros sanguíneos; ELES PODEM causar neutropenia OU pancitopenia significativa that justifique Uma Redução da dose de UO a descontinuação. Rotina completa das celulas sanguíneas (CBC) Conta com Diferenciais e contagem de plaquetas São verificados mensalmente, e de testículos de Função hepática (LFTs) PODE Ser realizada de-forma intermitente. APOS UM ano de Dosagem stable, sem dificuldades com contagens de sangue (EXCETO um esperado linfopenia), o intervalo entre a Monitorização da contagem de sangue PODE sor aumentado.

O Efeito citopénicos E Tipicamente Dependente da dosagem, embora Alguns patients São Mais sensíveis fazer that Outros. Uma típica dose de E AZA 2-2,5 mg / kg / dia, enquanto uma dose de 6-MP E de 1-1,5 mg / kg / dia. Em Alguns Estudos, Os níveis sanguíneos de 6-tioguanina foi mostrado Para orientar um Dosagem, mas os tais testes oferecem Pouca Vantagem, um hum Custo Muito Maior parágrafo a Monitorização e ajuste da dose de de Rotina, Sobre as contagens de CBC e de testículos de Função hepática . Em Estudos Independentes, OS níveis de metabólitos NÃO mostraram QUALQUÉR Correlação com a eficacia clínica, mas ELES PODEM Ajudar sem Controlo do cumprimento.

OS Anticorpos monoclonais anti-TNF-alfa

Uma Avaliação sistémica da eficacia de terapias biológicas em IBD confirmou Que OS Agentes anti-TNF-alfa e natalizumab were eficazes em induzir a Remissão da Doença de Crohn activa. [96] Para a Doença de Crohn, uma taxa de RESPOSTA PODE Ser Tão Elevada Como 80% (a taxa de RESPOSTA habitual parágrafo natalizumab E de cerca de 60%), ea Indução da taxa de Remissão E de 30-50% Uma APOS dosar Única; com doses multiplas, MAIORES taxas de Remissão São Atingidos. Para um ulcerosa colite, como taxas de RESPOSTA PODE Ser Tão Elevada Quanto 50-70%.

A terapia infliximab cessação da, MESMO em Pacientes Que estao em Remissão prolongada, Esta Associada com altas taxas de agravamento da Doença. Em hum Estudo com 115 patients com Doença de Crohn that were Tratados Por Um Período Mínimo de 1 ano com infliximab e hum antimetabolito, that tinha cabelo Menos de 6 meses de Remissão Livre de corticosteróide, e that posteriormente deixaram a terapia infliximab, 45% (52 / 115) Teve Uma recaída em Uma Média de acompanhamento de 28 meses, com Uma taxa de recaída em 1 ano de 43,9%. [98] Os Factores de Risco de recaída incluidos o sexo masculino, a contagem de leucócitos superiores a 6,0 x 10 9 / L, o nivel de proteína C-reactiva de 5,0 mg / L UO superior, e hum nivel de calprotectina fecal de 300 ug / g UO Mais. Re-Tratamento com infliximab foi Bem sucedido em 88% dos patients that tiveram Uma recaída. [98]

adversos OS Efeitos do infliximab

Adalimumab, pegol,golimumab

Vedolizumab (Entyvio), outro antagonista de integrina, E Aprovado Para a Doença de Crohn e colite ulcerativa. [101] E Específico parágrafo α4β7 integrina. Uma baseada foi aprovação em Vários Estudos Clínicos de fase 3 that, simultaneamente avaliadas Vedolizumab tanto parágrafo colite ulcerativa e Doença de Crohn e OS PACIENTES envolvidos em Quase 40 Países. Entre OS PACIENTES COM Doença de Crohn that tiveram Uma RESPOSTA à Terapêutica de Indução com Vedolizumab, 39,0% dos atribuídos a each Vedolizumab 8 Semanas estavam em Remissão clínica na semana 52, em Comparação com 21,6% atribuido Ao placebo.

Em Pacientes com colite ulcerosa Que Teve Uma RESPOSTA à Indução Vedolizumab, 41,8% continuaram a Estar em Remissão clínica em 52 Semanas, em Comparação com 15,9% dos patients that receberam placebo.

Etapa IV – Agentes de Ensaios Clínicos

Agentes de Ensaios Clínicos tendem a ser (OU SEJA, um agente parágrafo a Doença de Crohn Funciona, mas NÃO Para a colite ulcerosa, Ou vice-versa) Específica da Doença. De Estes Moléculas incluem anti-adesão e terapias anticitocina. [1] Na Doença de Crohn, Agentes Adicionais incluem terapias de Marcadores de Células T e de Células estaminais mesenquimais; na colite ulcerosa, Proteínas anti-inflamatórias were also estudados. [1]

Agentes Experimentais utilizadas em PESSOAS COM Doença de Crohn incluem talidomida (50-300 mg / dia PO) e interleucina (IL) -11 (1 mg / semana SC). Agentes Experimentais Usados ​​em PESSOAS COM colite ulcerativa incluem Adesivo de nicotina (14-21 mg / dia via Remendo tópica), enema butirato (100 mL POR recto Duas vezes por día) e heparina (10.000 U Duas SC vezes Ao dia). Vários contra-Indicações, Interações e precauções estao Associados com essas drogas.

Gestão de Pacientes internados

patients OS devem Ser internado no hospital, se a Intervenção Cirúrgica E antecipada OU SE SUA Condição NÃO Responde Ao Tratamento ambulatoriais, se they São desidratados, OU SE ELES TEM dor NÃO Controlada OU diarreia. COMECE IV hidratação. Se Indicado, um Uma Imagem de placa plana parágrafo Obtenção de abdominal excluir Obstrução OU megacólon. Se o Paciente ESTÁ COM náuseas OU vómitos OU TEM Evidências de Obstrução OU megacólon, entubação nasogástrica PODE Ser Útil. Considère uma consulta inicial com hum Cirurgião na Definição de colite intestinal sepultura OU Obstrução.

Se o Paciente TEM colite activa, envie Uma Amostra de fezes Pará Clostridium difficile Ensaio de toxina e cultura microbiológica de Rotina. Estudos de Laboratório a Serem considerados incluem Uma célula de sangue completo (CBC) CONTAM COM diferencial; taxa de sedimentação de eritrócitos; níveis de albumina, glicose, calcio, magnésio, fosfato, e de BUN / creatinina; Estado de electrólito; e Um teste de Gravidez em Mulheres em Idade Fértil.

sigmoidoscopia Flexível despreparados Para avaliar a Gravidade e NÃO incluem citomegalovírus colite

profilaxia de tromboembolismo venoso

IV hidrocortisona 100 mg tid / qid e Monitorização

Embora Uma Avaliação colonoscópico TAMBÉM PODE Ser contemplada, considerar o aumento faz risco de perfuração em PESSOAS COM colite aguda. Avaliar e Corrigir OS níveis de contagem posthydration CBC e eletrólitos, Como Indicado. Dependendo da RESPOSTA Às intervenções Iniciais, o Avanço da dieta PODE Ser considerado.

Se Nenhum Progresso foi Feito na Condição do Paciente desde a admissão, OS Tratamentos Adicionais São Necessários, incluíndo uma Cirurgia (Veja Intervenção Cirúrgica, abaixo) OU Tratamentos Médicos Mais agressivos. Novamente, considerá Baixar para hum centro de Cuidados terciários. Se o Paciente TEM SIDO incapaz de tolerar Uma dieta oral, Iniciar hiperalimentação e / ou reconsiderar a Intervenção Cirúrgica.

A maioria dos patients devem Ser capazes de Ser descarregada sem UO Antes do quinto dia de hospitalização. Uma dieta regular de DEVE Ser tolerado, com algumas restrições, se restrições estao PRESENTES. Um Nível ESR PODEM Ser obtidas parágrafo auxiliar na Avaliação da Doença futuro, mas Seu resultado E Improvável Que altera Gestão corrente.

Descarregar o Paciente em Uso de medicações orais, com o Acompanhamento Adequado Como hum Ambulatório, geralmente Dentro de algumas Semanas.

Gestão da Doença refratária

terapia step-down DEVE Ser Considerada nenhum Início do Tratamento de patients com Doença de Difícil OU refractario. This Abordagem utiliza modificadores imunes OU Agentes Anteriores anti-TNF no Tratamento do Paciente DII fazer that uma Abordagem Passo-se descrito anteriormente (ver Resumo de Terapia Stepwise, supra).

modificadores imunes

Estes Agentes Não São Usados ​​Pará Ataques Agudos, Porque o ritmo desde o Início do Tratamento de para- O Início da Acção significativa PoDE SER TAO Longo Quanto 2-3 meses. RESPOSTA um modificadores imunes a dose PODE Ser Dependente da; Monitorização das contagens de Sangue e Necessário Para Proteger o Paciente da Toxicidade hematológica Associada com Estes Agentes.

Anticorpos monoclonais

Um Estudo randomizado, Controlado demonstraram Que o adalimumab PODE induzir um Remissão em patients com Doença de Crohn refratária Ao Tratamento com infliximab. [103] This terapia Levou a cicatrização da mucosa e Uma Redução na hospitalização e Intervenção Cirúrgica. A taxa de Infecção sepultura foi de 2-4%, O Que NÃO era Maior do Que a taxa de patients that receberam placebo. [103]

Parar de fumar

Uma Mudança de estilo de vida Que PODEM Beneficiári patients com a Doença de Crohn E a cessação do Tabagismo. O Uso do tabaco TEM SIDO Associada Ao aumento do Número e Gravidade das crises de Doença de Crohn e cessação do Tabagismo POR si portanto E ocasionalmente Suficiente Para atingir um Remissão da Doença de Crohn refratária.

Gestão em Remissão

A top-down Abordagem (SEJA OU, O USO anterior de imunomoduladores e Produtos Biológicos) inclui a necessidade de cicatrização da mucosa-esteroide reforçada e alcança Uma Remissão Mais Cedo e Mais completa fazer that uma terapia step-up. A Regra Geral E Que Uma Vez Que a Remissão E atingida, OS Medicamentos Usados ​​Pará atingir uma continuada Remissão DEVE ser, Esteroides EXCEPTO, that DEVE Ser gradualmente reduzida, Porque Eles Não Tem Nenhum papel na Manutenção da Remissão [105] e Seu USO PODE Levar um Doenças debilitantes, particularmente apos o OSU a Longo Prazo. Início infusão de hiperalimentação IV ESTÁ SE Tornando Cada Vez Mais available parágrafo cessos Raros patients com Doença de Crohn em quem de Repouso intestinal prolongada E Necessário (Exemplo POR, Casos de Doença fistulizing sepultura). Os Doentes com hum intestino Curto PODE exigir hiperalimentação prolongada.

Gestão do Paciente Mais Velho IBD

Doenças do pulmão (doença pulmonar obstrutiva chronic, principalmente [DPOC]) na Doença de Crohn São comorbidades Comuns, principalmente Por Causa do Tabagismo; Não entanto, a cardiovascular Doença, embora Comum não Paciente Mais Velho, Não Tem QUALQUÉR Relação directa com IBD. Doença inflamatoria intestinal fator Ser hum PODE TAMBÉM não treatment fazer Cancro da próstata (para ferimentos Evitar rectal), mas geralmente NÃO e Um fator não Cancro da mama.

A maioria das preocupações Sobre a Interação de Outros Processos de Doença e IBD giram em torno dos Medicamentos Usados ​​Pará TRATAR varias condições; ASSIM, o médico assistente do Paciente Mais Velho continuamente desen Estar CIENTE do potencial parágrafo interacções de medicação. Embora o advento dos Registros Médicos Eletrônicos Torna Mais Fácil parágrafo VerificAR se os tais Interações, ELE permanece Ate O médico Para determinar Quais Interações São clinicamente significativas.

Aspirina e Medicamentos anti-Inflamatórios Não-Esteroides (AINEs) São frequentemente utilizados parágrafo Doenças Cardiovasculares e reumatológicas; Estes Agentes e ciclooxigenase tipo 2 (COX-2) Inibidores São conhecidos POR causar chamas na DII (Não universalmente, mas MUITAS vezes Suficiente Para Ser clinicamente Importante). [106]

A maioria dos aminosalicilatos NÃO ter Interações substanciais com Agentes Não-IBD. Efeitos OS colaterais dos corticosteróides PODE exacerbada Ser na População Mais Idosa, particularmente em Pacientes diabetes com, uma Perda óssea Acelerada e Formação de catarata. Agentes OS anti-TNF estao geralmente contra-indicados EM Doentes com insuficiencia cardíaca congestiva (ICC), mas PODE Ser Utilizado Uma Vez Que o CHF E Controlada. Os Agentes modificadores imunes TEM Uma Interacção clinicamente Importante com alopurinol, Como alopurinol tremendamente aumenta OS níveis séricos de mercaptopurina e azatioprina Ao Ponto em that Estes Agentes PODEM Toxicidade Manifesta rápidamente.

Intervenção Cirúrgica

A colite ulcerosa E UMA Doença cirurgicamente curável. No entanto, a Doença de Crohn PODE Envolver QUALQUÉR segmento do tracto gastrointestinal a Partir da boca Ao ânus; ressecção Cirúrgica NÃO E curativa, Como recorrência E uma norma. Além Disso, a necessidade repetido parágrafo a Cirurgia e ressecção resultar PODE intestinal em síndrome do intestino Curto e Dependência de Nutrição parentérica.

A ulcerativa colite

Considère Intervenção Cirúrgica parágrafo OS PACIENTES nsa Quais a terapia médica falha, Como E curativo parágrafo a Doença do cólon, e parágrafo aqueles com displasia do cólon OU malignidade. [3] Approximatif 25-30% dos patients PODEM necessitar de Uma operativa Gestão. [1] Como Indicações seguintes OS Pará colectomia Sao:

Intolerância à Terapêutica médica

Como opções cirúrgicas parágrafo colite ulcerativa variar. Atualmente, como 2 opções Mais Comuns São proctocolectomia com ileostomia e proctocolectomia total com anastomose íleo-anal.

A Operação Mais Comum realizada parágrafo TRATAR uma colite ulcerativa E bolsa ileal / anastomose anal (IPAA). Neste Procedimento em Andares Múltiplos, Uma ileostomia Desvio ê ê realizada Uma bolsa ileal E CRIADO e anastomosados ​​Directamente Para o ânus, com a remoção completa da mucosa retal. Apos a anastomose íleo-anal curado E, uma ileostomia E levado parágrafo Baixo, EO Fluxo atraves do ânus E restabelecida.

Cirurgia electiva as vezes PODE Ser realizada POR laparoscopia. Para um fulminante colite, o Procedimento Cirúrgico de ESCOLHA consiste do de Uma colectomia subtotal com ileostomia FIM e Criação de Uma bolsa de Hartmann.

Para OS PACIENTES Que planejam engravidar, Uma colectomia subtotal E o preferido parágrafo Evitar uma diminuição de 48% na fecundidade com o Procedimento IPAA.

Doença de Crohn

Cirurgia Para a Doença de Crohn e Mais comumente realizada em patients com Complicações da Doença (Isto É, estenoses, fístulas). Approximatif 70% dos patients com Doença de Crohn íleo exigir Intervenção Cirúrgica. [1] Em Geral, uma ressecção Conservadora E defendida (stricturoplasty incluíndo potencial, em Oposição à Cirurgia de ressecção) Para Preservar o comprimento do intestino em Caso de Cirurgia Adicional E Necessário nenhum futuro. [4]

Embora a Cirurgia E UMA Opção de Tratamento Importante Para a Doença de Crohn, OS PACIENTES devem Estar cientes de that NÃO E curativa e Que a recorrência da Doença Apos uma Cirurgia E a Regra. recorrência da Doença geralmente imita o Padrão de Doença originais na anastomose Cirúrgica. Evidência endoscópica de Inflamação Recorrente ESTÁ Presente em 93% dos patients de 1 ano apos a Cirurgia.

Em ressecção segmentar, um segmento do intestino com Doença de Crohn Ativa OU Uma estenose E ressecado, e o intestino Remanescente E reanastomosadas. EM GERAL, tao POUCO Quanto Possível fazer intestino E ressecado, Porque o Risco de recorrência da Doença de e significativa. [108]

Em patients com hum Muito Curto estenose cicatriz, poupadores Uma stricturoplasty fazer intestino realizada PODE ser. Neste Procedimento, Uma incisão longitudinal E Feita atraves da estenose, e, em SEGUIDA, uma incisão de e reparado com Uma sutura horizontal. Todos mucosa E poupado, e uma Obstrução e Aliviada. Como MUITOS Como stricturoplasties 6-8 PODE Ser realizada NUMA Única Sessão operativa.

Stricturoplasty ESTÁ Associada a taxa Uma des 6-8% de Complicações SÉPTICAS (2-3% dos patients necessitam de reoperação); ISTO PODE Ser evitado com a Administração pré-operatória Óptima parágrafo Controlar o Componente inflamatoria da estenose Antes da Intervenção Cirúrgica.

íleo-reto anastomose OU íleo E UMA Opção Disponível Pará Alguns patients Que Tem ileal distal OU Doença do cólon proximal. Em patients com fístulas perianais sepulturas, Uma ileostomia de Desvio OU colostomia E UMA Opção. Neste Procedimento, o cólon distai E desfuncionalizada e Uma ileostomia OU colostomia Temporária E Criada. A ileostomia OU colostomia E ENTÃO Retirado apos 6 meses UO Mais. MUITOS patients Que buscam ESTA Opção OPTAR POR renunciar reanastomosis Apos uma colocação de hum estoma e Uma consequente Melhoria na Qualidade de vida. Approximatif 50% dos patients Que Tem um reanastomosis Realizados TEM recorrências da Doença perianal.

fístulas enteroentérica sintomáticos São geralmente ressecado, embora a recorrência E Comum. Terapia Médica pós-operatória MUITAS vezes impedir uma recorrência, embora faltam Dados Sobre eficacia. Uma meta-Análise de 9 Estudos randomizados sugeriram Que OS preparativos de 5-ASA fornecer hum Benefício Muito modesto parágrafo a Manutenção. [86] O Programa preferido de Prevenção varia Entre imunomoduladores e terapia biológica.

Contracepção não perioperatório contexto

Antes de Ser submetido a Cirurgia eletiva Importante, como Mulheres com IBD devem Parar de USAR Contracepção combinada oral, parágrafo hum Mínimo de 4 Semanas Antes da Cirurgia, E MÉTODOS Alternativos de Contracepção DEVE Ser USADO. [109] Aconselhar Cada Paciente when Contracepção PODE orais reiniciado sor.

Se uma mulher com IBD ESTÁ considerando um Esterilização, o advogado dela e de Seu Parceiro Sobre methods Alternativos de Contracepção (Por Exemplo, de longa Ação anticoncepcionais reversíveis, uma vasectomia). Nota-se that em Mulheres com História de Cirurgia pélvica OU abdominal, Esterilização laparoscópica NÃO PODE Ser Considerada hum Método contraceptivo Adequado. [109]

Afinando corticosteróides sem Cenário pós-operatória

A Organização Mundial de Gastroenterologia (WGO) RECOMENDAÇÕES parágrafo afinando corticosteróides Depende da Duração da utilização de corticosteróides, Como se segue [1]:

Menos de hum Mês: a interrupção abrupta no pós-operatório E Permitido

Mais do Que 6 meses: afilar-se Lentamente, a 1 mg / semana ou Menos Uma Vez Que uma dose E de 10 mg / dia

Dieta, estilo de vida modificações e Atividade

Nenhuma conhecido na dieta OU estilo de vida Mudanças Prevenir a Doença inflamatoria do intestino (DII), e Não Há substancias Alimentares conhecidos TEM SIDO consistentemente mostrado parágrafo causar um ACTIVAÇÃO da DII. O Uso do tabaco TEM SIDO Associada Ao aumento do Número e Gravidade das crises de Doença de Crohn, e deixar de fumar PODE Ajudar a atingir um Remissão em patients com Doença de Crohn. A intolerância à lactose E Comum em PESSOAS COM Doença de Crohn UO colite ulcerativa e PODE imitar OS síntomas da DII.

dieta

Embora uma dieta TEM SIDO Bem demonstrado ter Pouca OU nenhuma Influência Sobre a Actividade inflamatoria em PESSOAS COM colite ulcerosa, ELA PODE Influenciar síntomas. Por ESTA Razão, OS PACIENTES São frequentemente aconselhados a Uma Fazer Variedade de modificações dietéticas, especialmente Adaptação de Uma dieta de Baixo Resíduo, embora a Evidência NÃO suporta Uma dieta de Baixo Resíduo Como benéficos no Tratamento da colite ulcerosa. Essa dieta, não entanto, PODE Diminuir a frequencia das evacuações.

Em hum Estudo prospectivo de 56 patients com Doença de Crohn Repouso em terapia de Manutenção com infliximabe (5 mg / kg, q 8 Semanas), Yamamoto et al descobriram Que a Nutrição enteral concomitante NÃO melhorou significativamente a taxa de Manutenção da Remissão CLÍNICA EM PACIENTES com Doença de Crohn. [110] No Estudo, 32 patients receberam concomitante enteral Nutrição (infusão de dieta elementar DURANTE A Noite, Uma dieta de Baixo Teor de Gordura Durante o dia), e 24 patients NÃO receberam Nutrição enteral e NÃO tinha restrições dietéticas. [110]

suplementação Multivitaminico E recomendada em Pacientes com DII. [1] Para patients com vitaminas B12 OU Deficiência de vitamina D, DEVE Ser dada suplementação dessas vitaminas. Os Resultados de 2 Estudos sugerem Que a Ligação Entre a vitamina D e IBD PODE sor de importancia particular. [111, 112, 113]

Em hum dos Estudos, 3217 patients com Doença de Crohn UO colite ulcerosa e níveis Baixos de vitamina D tiveram hum Risco aumentado de Cirurgia e hospitalização. [112] patients com Doença de Crohn com OS níveis de 25-hidroxivitamina D inferior a 20 ng / ml tiveram hum Risco aumentado de Cirurgia e hospitalização POR IBD fazer that aqueles com níveis Mais Elevados fazer that 30 ng / ml. Estimativas semelhantes were observados parágrafo a colite ulcerosa. Nenhuma Outro Estudo, patients com Doença de Crohn that assumiu 2000 UI de vitamina D por día Durante 3 meses ganhou Força muscular e Melhoria da Qualidade de Vida. [113]

Os patients that receberam terapia com Esteroides devem Receber vitamina D e suplementação de Cálcio. ferro parenteral (semanal IM OU IV) PODE Ser Utilizado em Pacientes com anemia POR Deficiência de ferro chronic Que São incapazes de tolerar uma Formulação oral. [1]

Atividade

De Na maioria DOS CASOS, OS límites de diarréia Atividade principalmente Por Causa de da falta de Acesso Imediato como instalações Sanitárias EM MUITOS LOCAIS e / ou ocupações. A PODE Ser desidratação hum Problema, MUITAS vezes exigindo hidratação IV UO a utilização de Soluções de re-hidratação oral.

Atividade Física Moderada um Vigorosa POR Até 12 Semanas TEM SIDO mostrado Para melhorar a pontuação de síntomas e MUITAS Dimensões Específicas de Qualidade de vida, incluíndo a Energia, sono, Emoção e FUNCIONAMENTO físico. [114] Este grau de Actividade foi Definida Como 20-60 Minutos de Exercício intenso 3-5 dias POR semana. Como Melhorias ocorrem apesar da falta de alteração sem peso corporal, ritmo de tránsito oral-anal, evacuações POR semana, OU um Consistencia das fezes. Este Estudo also that Destaca a deterioração sintomática e Mais provável em individuos físicamente inativos.

Reprodução e Gravidez

Os Médicos São aconselhados a avaliar a Informação de prescrição de Medicamentos em Mulheres Que estao Tentando conceber, estao gestantes OU lactantes. [109] aminosalicilatos de Todos os (sulfassalazina, mesalamina, olsalazina, Balsalazide) e corticosteróides parecem Ser Seguros em Mulheres em TODAS como Fases de Fertilidade, Gravidez e lactação. Homens devem Evitar sulfassalazina de Durante periodos EM that they e SEUS companheiros estao Tentando engravidar.

Reprodução

O Único agente Que É contra-indicada em Mulheres considerando a Gravidez E o metotrexato (MTX), o qua TEM demonstrado Efeitos teratogénicos. MTX DEVE Ser descontinuado 3 meses Antes da Concepção planeado.

Gravidez

A maioria das Crianças nascidas de pais com IBD Saudáveis ​​São Paulo. A Prevalência da prematuridade, NADOs Mortos, e Defeitos de Nascimento E semelhante Ao that na População los Geral. A Prevalência de aborto espontâneo E ligeiramente Maior em Pacientes com DII (12,2%) fazer that na População em geral (9,9%). proctocolectomia anterior OU NÃO ileostomia e Um impedimento parágrafo a Gravidez Bem sucedida; Não entanto, controvérsias existem em relaçao Ao tipo de parto (cesariana UO vaginal) Que É Mais apropriado when uma mulher Teve bolsa ileal / Cirurgia anastomose anal. [109] as Mulheres Que se submeteram a ESSE Procedimento devem Consultar SEUS Médicos obstetras e gastroenterologistas. [109]

aminosalicilatos OS, sulfassalazina incluíndo, São Seguros Durante a Gravidez. Suplementos de folato devem Ser Tomadas. Os corticosteróides São also seguros, mas se doses Elevadas São Necessárias Perto do Fim da Gravidez, monitorar o lactente parágrafo Sinais de supressão supra-renal. Continuação da modificadores imunes (Isto É, 6-MP, azatioprina) segura Parece Ser na Gravidez, [106, 116] Bem Como metronidazol (Flagyl) e ciprofloxacina (Cipro).

Contracepção Eficaz DEVE Ser Usada com Certa terapia medicamentosa. [109] Parceiros de Ambos OS sexos that receberam metotrexato devem utilizar methods contraceptivos eficazes Durante hum Período Mínimo de 3 meses apos o Tratamento com este agente.

De according com a Faculdade de Unidade de eficacia Clínica Sexual e Reprodutiva Saúde no Reino Unido, como Mulheres com IBD DEVE Planejar parágrafo A Concepção when a Doença ESTÁ stable e Bem Controlada. [109] Doentes fazer sexo masculino e feminino necessitem de Aconselhamento parágrafo pré-gestacional Ajudá-los com uma Melhor Gestão de SUA Condição Antes de ocorrer A Concepção. [109]

Aconselham as Mulheres Que Tem uma Doença de Crohn com a Doença do intestino delgado e má Absorção that um Contracepção PODE oral de ter eficacia reduzida. [109] Contracepção Adicionais E Recomendado Pará Mulheres na Contracepção hormonal combinada that tambem estejam a Receber regimes de Antibióticos Pará Menos de 3 semanas, Assim Como de Durante 7 Semanas apos uma interrupção do antibiótico. Nota-se that certos Medicamentos prescritos parágrafo USO OU rectal genital PODE afetar negativamente a eficacia dos preservativos. [109] Além Disso, se consideram Agentes contraceptivos PODE ter hum Efeito Sobre as Doenças Associadas com IBD (Por Exemplo, osteoporose, tromboembolismo venoso, colangite esclerosante Primária).

Em Mulheres com IBD Que Serao submetidos a Cirurgia electiva major, Contracepção combinado DEVE Ser interrompido POR oral, hum Período Mínimo de 4 Semanas Antes do Procedimento. [109] estas Mulheres devem USAR UM Método contraceptivo alternativo.

Amamentação

A sulfassalazina metabólitos Ser PODE detectada nenhuma leite materno. Baixas concentrações de mesalamina e concentrações Mais Elevadas dos SEUS metabólitos PODEM TAMBÉM Ser detectadas sem mama leite de, mas o significado disto E Desconhecido. Além Disso, corticosteróides OS PODEM TAMBÉM Ser detectadas no leite materno.

modificadores imunes São excretada no leite materno e DEVE Ser Considerada APENAS base de NUMA de caso-a-Caso; Quer o modificador imunológico DEVE Ser interrompido UO um DEVE Ser Criança alimentados com Mamadeira.

Antibióticos (metronidazole [Flagyl], ciprofloxacina [Cipro]) devem Ser evitadas Durante a lactação, PORQUE ELES São excretados no leite materno; Quer amamentar UO como drogas interrompido DEVE ser. Estes Agentes São provavelmente seguros parágrafo a Fertilidade e Durante a Gravidez.

Agentes anti-TNF (OU SEJA, infliximab, adalimumab) atravessar a placenta, enquanto pegol NÃO Faz, Por Causa da ausencia do fragmento Fc. ELES São encontrados no sangue do cordão umbilical cordão, mas NÃO no leite materno.

Embora Pequenas quantidades de Agentes Tópicos São absorvidas e, portanto, PODE Ser excretada no leite materno, como concentrações São MUITO MAIS Baixos fazer that aqueles com como Formas orais dos mesmos Medicamentos. Estes Medicamentos São provavelmente razoavelmente seguro na amamentação.

Consultas

Um radiologista intervencionista PODE Ser consultado em Caso de drenagem percutánea de hum abcesso E Desejada. consulta Especialidade E Melhor PARA O Gerenciamento de Manifestações extracolônicas (OU SEJA, uveíte, artrite, dermatite, colangite esclerosante). Considère also organizando Consultas parágrafo patients com Uma nutricionista e Uma Enfermeira estoma, se Indicado.

Resumo medicação

MUITOS Mediadores Inflamatórios were identificados em IBD; Anticorpos OS contra Estes Mediadores e OS MÉTODOS Para bloquear a Produção OU Receptores parágrafo Estes Mediadores São Uma grande promessa Como Terapêutica potencial Para a DII.

A terapia Para a Doença de Crohn E geralmente Menos eficazes fazer that Pará uma colite ulcerativa. Para Além das terapias here descritas, IV UO ciclosporina infliximab E Útil na colite ulcerosa refractario. Uma Abordagem gradual convencional Tomada PODE ser. Com ESTA Abordagem, como drogas Mais benignas (temporarias OU) São Usados ​​em Primeiro Lugar. Se Eles Não conseguem Prestar socorro, São Usadas drogas de hum Passo Maior. No entanto, a Doença Mais agressiva requer terapia imunomodulador e biológica não Início do Programa de Tratamento.

Uma Abordagem POR Passos E Como se segue:

Aminosalicylates e Agentes sintomáticos São Etapa I drogas; Antibióticos São Passo drogas IA, Tendo em Conta como Situações limitadas, em that São utilizados

Os corticosteróides Constituinte O Passo de drogas de Classe II, Os Quais São Para Ser USADO, se o Passo that como drogas NÃO conseguem Controlar de forma adequada a DII

Agentes modificadores imunes São Passo drogas III e São Usados ​​se corticosteróides falham UO São Obrigados POR periodos prolongados; infliximab e adalimumab also São drogas Passo iii

Nota-se that como drogas de Todos os Passos PODEM sor utilizados de forma aditiva; EM GERAL, o Objectivo E o de afastar o Paciente fóruns Esteroides o Mais rápidamente Possível parágrafo Evitar Efeitos adversos de Longo Prazo de Tais Agentes. Como Opiniões divergem Quanto Ao se uso de certos Agentes Nesta Abordagem Passo a Passo.

Sulfassalazina (Azulfidine, Azulfidine PT-abas, Sulfazine, Sulfazine CE)

Contexto clínico: A sulfassalazina E considerado o Melhor Para uma Doença do cólon, embora also E Considerada uma terapia de Primeira Linha Para a Doença de Crohn. Este agente E Utilizado Para a Doença aguda e Pará a Manutenção da Remissão.

Mesalamine (Asacol HD, Pentasa, Canasa, Rowasa, Lialda, Apriso, Delzicol)

Contexto clínico: Mesalamina E um sistemicamente actua 5-ASA that, e TAMBÉM TEM Actividade Como hum anti-inflamatório Tópico.

Balsalazide (Colazal, Giazo)

Olsalazina (Dipentum)

Resumo classe

Os Derivados de Ácido 5-amino-salicílico (ASA) São eficazes NA Redução de reacções inflamatórias. De Todos os amino-salicilatos São Úteis Para o Tratamento de crises de Ligeira um Moderada colite ulcerativa e colite Crohn e ocasionalmente parágrafo Manter um Remissão.

Metronidazol (Flagyl, Flagyl ER, Metro)

Ciprofloxacina (Cipro, Cipro XR)

RIFAXIMINA (Xifaxan)

Contexto clínico: A RIFAXIMINA e Um absorvido NÃO (lt; 0,4%), de largo espectro antibiótico Específico parágrafo Agentes patogênicos entéricos fazer tracto gastrointestinal (E ISTO, Bactérias Gram-Positivas, gram-negativos, aeróbicos, Anaerobicos). E Um análogo Estrutural rifampicina e liga-se à subunidade beta da RNA polimerase Dependente de DNA bacteriana, inibindo ASSIM uma Síntese de RNA.

Resumo classe

Metronidazol (Flagyl) e ciprofloxacina (Cipro) São OS Antibióticos Mais geralmente Usados ​​em PESSOAS COM Doença inflamatoria do intestino (DII). Os Antibióticos São Menos eficazes em PESSOAS COM colite ulcerativa, EXCEPTO em megacólon tóxico fulminante OU bolsite. RIFAXIMINA (Xifaxan) e Um antibiótico de largo espectro Aprovado Pela FDA, that also PODE Ajudar A TRATAR patients com DII.

Hidrocortisona (Solu-Cortef, Cortef, A-Hydrocort)

Contexto clínico: Esteroides adrenocorticais actuar Como Inibidores potentes da Inflamação. ELES PODEM causar Profundas e variados Efeitos metabólicos, particularmente em relaçao Ao Sal, Água, E a Tolerância à glicose, Para Além da SUA modificação da RESPOSTA imunitária do Corpo. Esteroides adrenocorticais Alternativos PODEM Ser utilizados em Dosagem equivalente.

Prednisona (Rayos)

Contexto clínico: Prednisona Como actua hum inibidor potente da Inflamação. PoDE causar Profundas e variados Efeitos metabólicos, particularmente em relaçao Ao Sal, Água, E a Tolerância à glicose, Para Além da SUA modificação da RESPOSTA imunitária do Corpo. corticosteróides Alternativos utilizados SER PODEM EM Dosagem equivalente.

Metilprednisolona (Medrol, Solu-Medrol, Depo-Medrol, A-Methapred)

Contexto clínico: Esteroides adrenocorticais actuar Como Inibidores potentes da Inflamação e PODE causar Profundas e variados Efeitos metabólicos, particularmente em relaçao Ao Sal, Água, E a Tolerância à glicose, em adição à modificação da RESPOSTA imunitária. Esteroides adrenocorticais Alternativos PODEM Ser utilizados em Dosagem equivalente. Metilprednisolona TEM UM Maior Efeito colateral salgada e retenção de Água.

Prednisolona (Orapred, Pediapred, Millipred, Veripred 20, Flo-Pred)

Contexto clínico: Os corticosteróides actuam Como Inibidores potentes da Inflamação. ELES PODEM causar Profundas e variados Efeitos metabólicos, particularmente em relaçao Ao Sal, Água, E a Tolerância à glicose, em adição à modificação da RESPOSTA imunitária. corticosteróides Alternativos utilizados SER PODEM EM Dosagem equivalente.

Budesonida (Entocort CE)

Dexametasona (Baycadron, DoubleDex)

Contexto clínico: Dexametasona TEM MUITOS Benefícios farmacológicos, mas also existem Efeitos adversos significativos. ISSO estabiliza como Membranas Celulares e lisossomais, aumenta a Síntese de surfactante, aumenta como concentrações séricas de Vitamina A, e inibe Prostaglandinas e citocinas pró-inflamatórias.

Resumo classe

Azatioprina (Imuran, Azasan)

6-mercaptopurina (Purinethol, Purixan)

Contexto clínico: A 6-mercaptopurina e Um análogo de purina, Que inibe a Síntese de ADN e ARN, causando Prisão de proliferação celular.

Metotrexato (Rheumatrex, Trexall, Otrexup, Rasuvo)

Contexto clínico: Metotrexato prejudica a Síntese de ADN e induzem a apoptose e na Redução da interleucina (IL) -1 Produção. E indicados parágrafo moderar Uma Doença sepultura e Manutenção da Remissão. O Início da Ação ESTÁ atrasado.

Ciclosporina (Sandimmun, Neoral, Gengraf)

A ciclosporina e Um polipéptido cíclico Que suprime Alguma Imunidade humoral e, n’uma Extensão maior, como reacções imunitárias mediadas POR Células, Tais Como uma hipersensibilidade retardada, rejeição de aloenxerto, encef alomielite alérgica experimental, e Doença enxerto-versus-hospedeiro.

Para as Crianças e Adultos, uma baseada doses e No peso ideal corporal.

Resumo classe

Infliximab (Remicade)

Contexto clínico: Infliximab neutraliza citocinas TNF-alfa e inibe uma SUA Ligação Ao receptor de TNF-alfa. Mistura-se em 250 ml de Solução Salina normal, e infundido IV de Durante 2 horas. E Indicado tanto parágrafo a colite ulcerosa e Doença de Crohn.

Adalimumab (Humira)

Adalimumab E o anticorpo monoclonal recombinante G1 imunoglobulina humana (Ig) Específico PARA O TNF humano. He liga-se especificamente Ao TNF-alfa e bloqueia a Interacção com OS Receptores de TNF da superficie celular, p55 e p75.

Certolizumab pegol (Cimzia)

Certolizumab pegol e Um fator de necrose tumoral peguilado anti-(FNT) -alfa, O Que Resulta na interrupção do Processo inflamatório. E Indicado para Moderada a Doença de Crohn graves em individuos cuja Condição Não Tem respondido Às terapias convencionais.

Golimumab (Simponi, Simponi Aria)

Resumo classe

OS Anticorpos monoclonais direcionados fator o contra de necrose tumoral alfa (TNFa) interromper o TNF endógeno. Os níveis aumentados de TNFa were observados na Doença de Crohn e colite ulcerativa e São considerados parte da patogénese do IBD. TNFa induz citocinas pró-inflamatórias (Por Exemplo, interleucinas), melhoram a Migração de leucócitos, Activar OS neutrófilos e eosinófilos, e induz um Degradação enzimática.

This inclui categoria como adalimumab, pegol, golimumab e infliximab. Infliximab e adalimumab São Aprovados Pela FDA parágrafo Ambos Doença de Crohn e colite ulcerativa, enquanto that pegol E Aprovado Pela FDA APENAS parágrafo a Doença de Crohn e Golimumab APENAS parágrafo a colite ulcerativa.

Infliximab foi O Primeiro Desta classe parágrafo utilização na Doença inflamatoria do intestino. [70] O infliximab e Mais Eficaz contra a Doença de Crohn, colite ulcerosa fazer que. This droga Promove a cicatrização da mucosa; Cura perianal e fístulas enterocutaneous; e foi mostrado parágrafo Recolher OS Sinais e síntomas, atingir um Remissão clínica e cicatrização da mucosa, e Eliminar a utilização de corticosteróides. [124] Infliximab E Indicado para patients that experimentaram uma RESPOSTA inadequada à terapia convencional. [105]

Natalizumab (Tysabri)

Contexto clínico: Natalizumab e Um anticorpo monoclonal recombinante humanizado IgG4-1C Produzido em Células de mieloma de murino. He liga-se um alfa-4 subunidades de integrinas α4β1 e α4β7 expressos NA superficie de leucócitos, that inibem mediada POR α4 adesão de leucócitos parágrafo OS SEUS Receptores. Na Doença de Crohn, uma Interacção fazer α4β7 integrina com o receptor endotelial de MAdCAM-1 foi implicada Como hum Importante contribuinte Pará um Inflamação crónica, Que É Uma Característica da Doença.

Vedolizumab (Entyvio)

Contexto clínico: Vedolizumab e Um anticorpo monoclonal humanizado recombinante Que se liga especificamente a integrina α4β7. ELE bloqueia a Interacção de integrina α4β7 com Uma adesão celular de adressina Associado Ao intestino molécula-1 (MAdCAM-1) e inibe a Migração de linfócitos T de Memória atraves do endotélio em Tecidos parenquimatoso gastrintestinal inflamada. E Indicado tanto parágrafo a colite ulcerosa e Doença de Crohn.

Resumo classe

Inibidores de integrina estao emergindo Como opções parágrafo Moderada uma grave Doença inflamatoria intestinal em patients Que tenham Tido Uma RESPOSTA inadequada com, Perdido uma RESPOSTA OU were intolerantes a hum bloqueador de TNF OU imunomodulador; OU tiveram Uma RESPOSTA inadequada com, ERAM intolerantes, or demonstrou Dependência de corticosteróides.

Cimetidina (Tagamet)

Contexto clínico: A cimetidina inibe histamina nsa Receptores H2 das Células parietais gástricas, Resulta that na Redução da secreção de ácido gástrico, o volume de gástrico, e concentrações de hidrogênio.

Ranitidina (Zantac, Deprizine FusePaq)

Contexto clínico: A ranitidina inibe a Estimulação de histamina fazer H2 receptor EM Células parietais gástricas, that, vez POR SUA, reduz a secreção de ácido gástrico, o volume de gástrico, e concentrações de Iao hidrogênio.

Famotidina (Pepcid)

Contexto clínico: Famotidine inibe competitivamente histamina há H2 receptor das Células parietais gástricas, resultando em Redução da secreção de ácido gástrico, o volume de gástrico e concentrações de íons de hidrogênio.

Nizatidina (Axid)

Contexto clínico: Nizatidina inibe competitivamente histamina há H2 receptor das Células parietais gástricas, that Resulta na Redução da secreção de ácido gástrico, o volume de gástrico, e concentrações de hidrogênio.

Resumo classe

antagonistas do receptor H2 São Bloqueadores competitivos reversíveis de histamina nsa Receptores de H2, em especial aqueles em that como Células parietais gástricas, Onde enguias inibem a secreção de ácido. antagonistas OS H2 São Altamente seletivas, Não afetam OS Receptores H1, e Não São Agentes anticolinérgicos.

Omeprazole (Prilosec)

Lansoprazol (Prevacid)

magnésio esomeprazol (Nexium)

Rabeprazole Sódio (Aciphex)

Pantoprazole (Protonix)

Resumo classe

Diphenoxylate e Atropina (Lomotil)

Contexto clínico: Difenoxilato e Atropina E UMA Combinação de fármacos that Como actua hum agente antidiarreico quimicamente Relacionados com a meperidina analgésico narcótico. Este agente actua Sobre os Músculos intestinais inibem a peristalse e motilidade intestinal lento, prolongando o Movimento de fluido e electrólitos atraves do intestino, e aumentando a viscosidade e Perda de Fluidos e electrólitos. Uma dose de subtherapeutic de sulfato de Atropina anticolinérgico E adicionado Para desencorajar sobredosagem, Caso em that difenoxilato PODEM clinicamente imitam OS Efeitos da codeína.

Loperamida (Imodium A-D, Diamode)

Contexto clínico: Loperamida actua Sobre Músculos intestinais inibem a peristalse e retardar a motilidade intestinal. ELE prolonga a Circulação dos electrólitos e de fluido atraves do intestino e aumenta a viscosidade e Perda de Fluidos e electrólitos.

A colestiramina (Questran, Prevalite)

Contexto clínico: A colestiramina PODEM Ser Usadas Pará TRATAR uma diarreia Associada com Excesso de Ácidos biliares. Ela se liga AOS Ácidos biliares, reduzindo ASSIM OS Danos Para uma mucosa intestinal. A colestiramina reduz also a Indução da secreção de Fluidos Colonica e forma hum Complexo Não-absorvível com OS Ácidos biliares no intestino, O Que, POR SUA vez, inibe a recaptação entero-hepática DOS Ácidos biliares fazer intestino.

Resumo classe

Estes Agentes proporcionar Alívio sintomático QUANDO OS PACIENTES relatam síntomas de diarreia.

Dicyclomine (Bentyl)

Contexto clínico: Dicyclomine E Utilizado parágrafo TRATAR Distúrbios de motilidade gastrintestinal. Ela bloqueia a Acção da acetilcolina nsa LOCAIS parassimpático EM Glandulas secretoras, músculo liso, e o Sistema nervoso central (SNC).

Hyoscyamine (Levbid, Levsin, Levsin-SL, SL HyoMax, Symax-SL, Symax-SR, NuLev, Oscimin)

Resumo classe

Agentes antiespasmódicos anticolinérgicos São utilizados parágrafo TRATAR desordens espásticas fazer tracto gastrointestinal.

Autor

William A Rowe, MD, Presidente, Gastroenterology Associates da Central Pennsylvania, PC; Manager, Endoscopy Center of Central Pennsylvania, LLC; Professor Associado Clínica de Cirurgia, Divisão de Colon e Cirurgia Retal, Milton S Hershey Medical Center, Faculdade de Medicina da Universidade do Estado da Pensilvania

Divulgação: nada a Revelar.

O co-autor (es)

Gary R Lichtenstein, MD, Professor de Medicina, Diretor do Centro de Doença inflamatoria intestinal, Departamento de Medicina, Divisão de Gastroenterologia da Universidade da Pennsylvania School of Medicine

Divulgação: nada a Revelar.

Editores Especiais

Francisco Talavera, PharmD, PhD, Professor Assistente Adjunto, Universidade de Nebraska Medical Center College of Pharmacy; Editor-in-Chief, Medscape Medicamento de Referência

Divulgação: Recebido Salário da Medscape Para o Emprego. Pará: Medscape.

chefe do editor

BS Anand, MD, Professor do Departamento de Medicina Interna, Divisão de Gastroenterologia, Baylor College of Medicine

Divulgação: nada a Revelar.

AGRADECIMENTOS

Mounir Bashour, MD, MC, FRCS (C), PhD, FACS Professor Adjunto de Oftalmologia da Universidade McGill; Professor Assistente Clínico de Oftalmologia, Universidade de Sherbrooke; Diretor Médico, córnea a laser e Lasik MD

Mounir Bashour, MD, CM, FRCS (C), PhD, FACS e Um Membro das seguintes Sociedades Médicas: Academia Americana de Oftalmologia, a Associação Americana de Oftalmologia Pediátrica e Estrabismo, American College of Physicians Internacionais, American College of Surgeons, American Medical Association , Sociedade americana de Catarata e Cirurgia Refrativa, Sociedade americana de Engenheiros Mecânicos, American Society of Ophthalmic Plastic and Reconstructive Surgery, Biomedical Engineering Society, Canadian Medical Association, Canadian Oftalmológico Society, Contact Association Lens de Oftalmologistas, International College of Seção cirurgiões americanos, Ontario Medical Association, Quebec Medical Association, e Royal College of Physicians and Surgeons of Canada

Divulgação: nada a Revelar.

William K Chiang, MD Professor Associado do Departamento de Medicina de Emergência, Faculdade de Medicina da Universidade de Nova York; Chefe de Serviço do Departamento de Medicina de Emergência, Bellevue Hospital Center

William K Chiang, MD e Um Membro das seguintes Sociedades Médicas: Academia Americana de Toxicologia Clínica, Colégio Americano de Toxicologia Médica e Sociedade for Academic Emergency Medicine

Divulgação: nada a Revelar.

Andrew A Dahl, MD Director de Oftalmologia Ensino, Mid-Hudson Institute Family Practice, O Instituto de Saúde da Família; Professor Assistente de Cirurgia (Oftalmologia), New York College of Medicine

Andrew A Dahl, MD e Um Membro das seguintes Sociedades Médicas: Alpha Omega Alpha, da Academia Americana de Oftalmologia, American College of Surgeons, American Medical Association, da Sociedade Americana de Catarata e Cirurgia Refrativa e Deserto Medical Society

Divulgação: nada a Revelar.

Steven C Dronen, MD, FAAEM Chefe do Departamento de Medicina de Emergência, LeConte Medical Center

Steven C Dronen, MD, FAAEM e Um Membro das seguintes Sociedades Médicas: Academia Americana de Medicina de Emergência e Society for Academic Emergency Medicine

Divulgação: nada a Revelar.

Eugene Hardin, MD, FAAEM, FACEP O ex-Presidente e Professor Associado do Departamento de Medicina de Emergência, Charles de de Drew Universidade de Medicina e Ciência; O ex-presidente do Departamento de Medicina de Emergência, Martin Luther King Jr / de de Drew Medical Center

Divulgação: nada a Revelar.

Sarvotham Kini, MD Professor Assistente de Medicina de Emergência, da Escola de Medicina da Universidade de Emory, Atlanta, GA

Sarvotham Kini, MD e Um Membro das seguintes Sociedades Médicas: americano College of Emergency Physicians, American College of Surgeons, e Carolina do Sul Associação Médica

Divulgação: nada a Revelar.

Alex J Mechaber, MD, FACP Senior Associate Dean de Graduação medicina em, Professor Associado de Medicina da Universidade de Miami Miller School of Medicine

Alex J Mechaber, MD, FACP e Um Membro das seguintes Sociedades Médicas: Alpha Omega Alpha, American College of Physicians-American Society of Internal Medicine, and Society of General Internal Medicine

Divulgação: nada a Revelar.

Hampton Roy Sr, MD Associate Professor Clínico do Departamento de Oftalmologia da Universidade de Arkansas parágrafo Ciências Médicas

Hampton Roy Sr, MD e Um Membro das seguintes Sociedades Médicas: Academia Americana de Oftalmologia, American College of Surgeons, e Associação Pan-Americana de Oftalmologia

Divulgação: nada a Revelar.

William Shapiro, MD A Equipe de Consultoria do Departamento de Atendimento de Urgência e Medicina de Emergência, Scripps Clinic and Research Foundation

Divulgação: nada a Revelar.

Francisco Talavera, PharmD, PhD Professor Assistente Adjunto, Universidade de Nebraska Medical Center College of Pharmacy; Editor-in-Chief, Medscape Medicamento de Referência

Divulgação: Medscape Salário Emprego

Rajeev Vasudeva, MD, FACG Professor de Medicina Clínica, Consultores em Gastroenterology, University of South Carolina School of Medicine

Rajeev Vasudeva, MD, FACG e Um Membro das seguintes Sociedades Médicas: American College of Gastroenterology, American Gastroenterological Association, American Society for Gastrointestinal Endoscopy, Columbia Medical Society, Carolina do Sul Gastroenterology Association, e Carolina do Sul Associação Médica

Divulgação: PriCara honorarios Falando e ensino; UCB Consulting taxa Consulting

R Christopher Walton, MD Professor, Diretor de uveíte e Ocular Doença inflamatoria Serviço do Departamento de Oftalmologia, Assistente Dean Graduate Medical Education, University of Tennessee College of Medicine; Staff Consulting, Regional Medical Center, Memphis Veterans Affairs Medical Center, Research Hospital do St Jude Children

R Christopher Walton, MD e Um Membro das seguintes Sociedades Médicas: Academia Americana de Oftalmologia, American College of Healthcare Executives, American uveíte Society, Associação de Pesquisa em Visão e Oftalmologia e Sociedade Retina

Divulgação: nada a Revelar.

Referências

  1. Organização Mundial de Gastroenterologia (WGO). Mundial de Gastroenterologia Organização Mundial Orientação. Doença intestinal inflamatoria: Uma Perspectiva global. Munique, Alemanha: Organização Mundial de Gastroenterologia (WGO); De 2009.
  2. Associação Americana de Gastroenterologia posição declaração médica: a Doença de Crohn perianal. Gastroenterology. 2003 novembro 125 (5): 1503-7. [Ver Resumo]
  3. Kornbluth A, Sachar DB. Diretrizes Para a Prática colite ulcerosa em Adultos: American College of Gastroenterology, o Comitê Parâmetros de Prática. Am J Gastroenterol. 2010 marco 105 (3): 501-23; Questionário 524. [Ver Resumo]
  4. Kiran RP, Nisar PJ, Igreja JM, Fazio VW. O papel do Procedimento Cirúrgico principais na Manutenção da continuidade intestinal de patients com colite de Crohn. Ann Surg. . 2.011 junho 253 (6): 1130-5. [Ver Resumo]
  5. Agrawal D, Rukkannagari S, Kethu S. Patogênese e Abordagem Clínica parágrafo Manifestações extra-intestinais da Doença inflamatoria intestinal. Minerva Gastroenterol Dietol. 2007 setembro 53 (3): 233-48. [Ver Resumo]
  6. Thoreson R, Cullen JJ. Fisiopatologia da Doença inflamatoria intestinal: Uma Visão Geral. Surg Clin North Am. . 2.007 junho 87 (3): 575-85. [Ver Resumo]
  7. Rioux JD, Xavier RJ, Taylor KD, Silverberg MS, Goyette P, Huett A, et al. Estudo de Associação Genômica Ampla IDENTIFICA novo loci susceptibilidade parágrafo a Doença de Crohn e implica uma autofagia na patogênese da Doença. Nat Genet. Maio de 2007. 39 (5): 596-604. [Ver Resumo]
  8. Tsianos EV, Katsanos KH, Tsianos VE. Papel da genética no diagnóstico e Prognóstico da Doença de Crohn. Mundo J Gastroenterol. 2012 Jan 14. 18 (2): 105-18. [Ver Resumo]
  9. Lashner B. A intestinal Doença inflamatoria. Carey WD, ed. Cleveland Clinic: Medicina Clínica Atual – 2009. Filadélfia, Pa: Saunders; De 2009.
  10. Wilkins T, Jarvis K, Patel J. Diagnóstico e Tratamento da Doença de Crohn. Am Fam Physician. 2011 Dez 15. 84 (12): 1365-1375. [Ver Resumo]
  11. Trinchieri A, Lizzano R, Castelnuovo C, Zanetti G, Padrões Pisani E. urinário de patients com Cálculos Renais Associadas com a Doença inflamatoria crónica do intestino. Arch Ital Urol Androl. . 2002 junho 74 (2): 61-4. [Ver Resumo]
  12. Amre DK, D’Souza S, Morgan K, Seidman G, Lambrette P, Grimard G, et al. Desequilíbrios no consumo Alimentar de Ácidos graxos, legumes e frutas estao Associados com Risco Para a Doença de Crohn em Crianças. Am J Gastroenterol. 2007 setembro 102 (9): 2016-25. [Ver Resumo]
  13. Jantchou P, Morois S, Clavel-Chapelon F, Boutron-Ruault MC, a ingestão de proteína Carbonnel F. animal e Risco de Doença inflamatoria intestinal: O E3N Estudo prospectivo. Am J Gastroenterol. 2010 outubro 105 (10): 2195-201. [Ver Resumo]
  14. Bengtson MB, Solberg IC, Aamodt G, Jahnsen J, Moum B, Vatn MH. Como Relações Entre Doença inflamatoria intestinal e Fatores Perinatais: Doença tanto materna e paterna estao Relacionados Ao nascimento prematuro da prole. Inflamm Bowel Dis. 2010 maio. 16 (5): 847-55. [Ver Resumo]
  15. Thoreson R, Cullen JJ. Fisiopatologia da Doença inflamatoria intestinal: Uma Visão Geral. Surg Clin North Am. . 2.007 junho 87 (3): 575-85. [Ver Resumo]
  16. Hampe J, J Grebe, Nicolau S, Solberg C, Croucher PJ, Mascheretti S, et al. Associação de NOD2 (CARD 15) genotipo com Curso clínico da Doença de Crohn: um Estudo de coorte. Lanceta. 2002 maio de 11. 359 (9318): 1661-5. [Ver Resumo]
  17. Hugot JP, Chamaillard H, H Zouali, Lesage S, Cézard JP, Belaiche J, et al. Associação de NOD2 repetição rica em leucina, com Variantes de susceptibilidade a Doença de Crohn. Natureza. 2001 31 de maio 411 (6837): 599-603. [Ver Resumo]
  18. Duerr RH, Taylor KD, Brant SR, Rioux JD, Silverberg MS, Daly MJ, et al. Um Estudo de Associação do genoma IDENTIFICA IL23R Como hum gene de Doença inflamatoria do intestino. Ciência. 2006 Dez 1. 314 (5804): 1461-3. [Ver Resumo]
  19. PLoS One. 2007 setembro 5. 2 (9): e819. [Ver Resumo]
  20. Van Limbergen J, Russell RK, Nimmo ER, Drummond HE, Smith L, Davies L, et al. IL23R Arg381Gln ESTÁ Associado com a Doença do intestino inflamatório Início da infância na Escócia. intestino. 2007 agosto 56 (8): 1173-4. [Ver Resumo]
  21. Barrett JC, Hansoul S, Nicolae DL, Cho JH, Duerr RH, Rioux JD, et al. Associação do genoma definir Mais de 30 Distintos loci susceptibilidade parágrafo a Doença de Crohn. Nat Genet. 2008 agosto de 40 (8): 955-62. [Ver Resumo]
  22. Hampe J, Franke A, Rosenstiel P, comeu Que o A, Teuber M, Huse K, et al. Uma Varredura de Associação do genoma de SNPs nonsynonymous IDENTIFICA Uma variante de susceptibilidade parágrafo a Doença de Crohn em ATG16L1. Nat Genet. 2007 39 fev (2): 207-11. [Ver Resumo]
  23. Parkes M, Barrett JC, Prescott NJ, Tremelling M, Anderson CA, Fisher SA, et al. Variantes de Sequência na IRGM autofagia gene E Vários loci Outros replicando contribuir Para a susceptibilidade a Doença de Crohn. Nat Genet. . 2007 julho 39 (7): 830-2. [Ver Resumo]
  24. Libioulle C, Louis E, Hansoul S, Sandor C, Farnir M, Franchimont D, et al. lócus Novel da Doença de Crohn identificado POR Associação do genoma mapeado parágrafo hum em gene deserto 5p13.1 e modula a Expressão de PTGER4. PLoS Genet. 2007 abril 20. 3 (4): E58. [Ver Resumo]
  25. Hedin C, Whelan K, Lindsay JO. A Evidência Para a utilização de probióticos e prebióticos na Doença inflamatoria do intestino: Uma Avaliação de Ensaios Clínicos. Proc Nutr Soc. 2007 agosto 66 (3): 307-15. [Ver Resumo]
  26. Genome-wide Estudo de Associação de 14.000 Casos de sete Doenças Comuns e 3.000 Controles Compartilhados. Natureza. 2007 junho 7. 447 (7145): 661-78. [Ver Resumo]
  27. Fisher SA, Tremelling H, Anderson CA, Gwilliam R, S Bumpstead, Prescott NJ, et ai. Os Determinantes Genéticos de colite ulcerosa incluem O lócus ECM1 e Cinco loci implicado na Doença de Crohn. Nat Genet. . 2.008 junho 40 (6): 710-2. [Ver Resumo]
  28. Weersma RK, Zhernakova A, Nolte IM, Lefebvre C, Rioux JD, Mulder F, et al. ATG16L1 IL23R e estao Associados a Doenças inflamatórias do intestino, mas NÃO com Doença celíaca, na Holanda. Am J Gastroenterol. 2008 marco 103 (3): 621-7. [Ver Resumo]
  29. Silverberg MS, Cho JH, Rioux JD, McGovern DP, Wu J, Annese V, et al. loci colite ulcerativa Risco Nos cromossomos 1p36 e 12q15 encontrados POR Estudo de Associação Genômica Ampla. Nat Genet. 2009 fevereiro 41 (2): 216-20. [Ver Resumo]
  30. Okada Y, K Yamazaki, J Umeno, Takahashi A, Kumasaka N, Ashikawa K, et al. HLA-Cw * 1202-B * 5201 DRB1 * 1502 haplotipo aumenta o Risco Para a colite ulcerosa, mas reduz o Risco Para a Doença de Crohn. Gastroenterology. 2011 setembro 141 (3): 864-871.e1-5. [Ver Resumo]
  31. Centros de Controle e Prevenção de Doenças. Um intestinal Doença inflamatoria (DII). Available in http://www.cdc.gov/ibd/#epidIBD. Acesso em: 06 de agosto de 2012.
  32. Molodecky NA, E em breve, Rabi DM, Ghali WA, Ferris M, Chernoff G, et al. O aumento da Incidência e Prevalência das Doenças inflamatórias intestinais com o ritmo, base com na Revisão Sistemática. Gastroenterology. 2012 janeiro 142 (1): 46-54.e42; Questionário e30. [Ver Resumo]
  33. Loftus EV Jr. epidemiologia clínica da Doença inflamatoria intestinal: Incidência, Prevalência e Influências Ambientais. Gastroenterology. 2004 maio. 126 (6): 1504-17. [Ver Resumo]
  34. Loftus EV Jr, Silverstein MD, Sandborn WJ, Tremaine WJ, Harmsen WS, Zinsmeister AR. colite ulcerativa em Olmsted County, Minnesota, 1940-1993: Incidência, Prevalência e Sobrevivência. intestino. 2000 Marco 46 (3): 336-43. [Ver Resumo]
  35. Loftus EV Jr, Silverstein MD, Sandborn WJ, Tremaine WJ, Harmsen WS, Zinsmeister AR. A Doença de Crohn em Olmsted County, Minnesota, 1940-1993: Incidência, Prevalência e Sobrevivência. Gastroenterology. . 1998 junho 114 (6): 1161-8. [Ver Resumo]
  36. Roth MP, Petersen GM, McElree C, Feldman E, Rotter JI. Origens Geográficas de patients Judeus com Doença inflamatoria intestinal. Gastroenterology. 1989 outubro 97 (4): 900-4. [Ver Resumo]
  37. Sonnenberg A, McCarty DJ, Jacobsen SJ. Variação Geográfica da Doença inflamatoria Dentro intestinal dos Estados Unidos. Gastroenterology. 1991 Janeiro 100 (1): 143-9. [Ver Resumo]
  38. Shivananda S, Lennard-Jones J, Logan R, Medo N, Preço A, G Carpenter, et ai. Incidência de Doença inflamatoria intestinal Em Toda a Europa: há Uma Diferença Entre norte e sul? Resultados do Estudo Colaborativo Europeu Sobre a Doença inflamatoria intestinal (EC-IBD). intestino. 1996 novembro 39 (5): 690-7. [Ver Resumo]
  39. Langholz E. Como Tendências Atuais na Doença inflamatoria intestinal: uma forma natural História. Therap Adv Gastroenterol. 2010 03 marco (2): 77-86. [Ver Resumo]
  40. Cartão T, Hubbard R, Logan RF. A Mortalidade na Doença inflamatoria intestinal: um Estudo de coorte de base de populacional. Gastroenterology. 2003 Dezembro 125 (6): 1583-90. [Ver Resumo]
  41. Jess T, Loftus EV Jr, Harmsen WS, Zinsmeister AR, Tremaine WJ, Melton LJ 3ª, et al. Sobrevivência e Mortalidade Por Causa Específica em patients com Doença inflamatoria intestinal: um Estudo de resultados a Longo Prazo em Olmsted County, Minnesota, 1940-2004. intestino. 2006 setembro 55 (9): 1248-1254. [Ver Resumo]
  42. Hutfless SM, Weng X, Liu G, J Allison, Herrinton LJ. Mortalidade POR Medicamentos POR patients com Doença inflamatoria intestinal, 1996-2003. Gastroenterology. 2007 Dez. 133 (6): 1779-1786. [Ver Resumo]
  43. Dorn SD, Sandler RS. A Doença inflamatoria intestinal NÃO E UM Fator de Risco parágrafo Mortalidade POR Doenças Cardiovasculares: Resultados de Uma Revisão Sistemática e meta-Análise. Am J Gastroenterol. 2007 marco 102 (3): 662-7. [Ver Resumo]
  44. [Orientação] Farraye FA, Odze RD, Eaden J, Itzkowitz SH, McCabe RP, Dassopoulos T, et al. AGA posição declaração médica há Diagnóstico e Tratamento de de da neoplasia colorretal em Doença intestinal inflamatoria. Gastroenterology. 2010 fevereiro 138 (2): 738-45. [Ver Resumo]
  45. AGA posição declaração médica há Diagnóstico e Tratamento de de da neoplasia colorretal em Doença intestinal inflamatoria. 2010. Disponível em http://www.gastrojournal.org/article/S0016-5085(09)02202-1/fulltext. Acesso em: 06 de agosto de 2012.
  46. colonoscópico Vigilância Para uma Prevenção do Cancro colo-rectal EM PESSOAS COM colite ulcerativa, Doença de Crohn adenomas UO. Londres, Reino Unido: Instituto Nacional de Saúde e Excelência Clínica (NICE); 2011. Disponível em http://guideline.gov/content.aspx?id=34830. Acesso em: 06 de agosto de 2012.
  47. Barclay L. DPOC, o Risco de asma de Maio de Cima parágrafo Doença inflamatoria intestinal. Medscape Medical News. Available in http://www.medscape.com/viewarticle/835213. Acesso em: 22 de novembro de 2014.
  48. Brassard P, Vutcovici H, Ernst P, V Patenaude, Sewitch H, Suissa S, et al. Aumento da Incidência de Doença inflamatoria do intestino EM Residentes de Quebeque COM Doenças das Vias respiratórias. Eur J Respir. 2014 novembro 18. [Ver Resumo]
  49. Brooks AJ, Rowse G, Ryder A, Peach EJ, Corfe BM, Lobo AJ. Revisão Sistemática: morbilidade psicológica em PESSOAS Jovens com Doença inflamatoria intestinal – Fatores de risco e Impactos. Aliment Pharmacol Ther. . 2016 julho 44 (1): 3-15. [Ver Resumo]
  50. Meucci G, Vecchi H, Astegiano H, L Beretta, cesari P, Dizioli P, et al. A História Natural da proctite ulcerosa: um Estudo Multicêntrico, Estudo retrospectivo. Gruppo di Estúdio per le Malattie Infiammatorie Intestinali (GSMII). Am J Gastroenterol. 2000 fevereiro 95 (2): 469-73. [Ver Resumo]
  51. Henriksen M, Jahnsen J, Lygren I, J Sauar, Kjellevold Ø, Schulz T, et al. colite ulcerosa e Curso Clínico: Resultados de hum Estudo de Acompanhamento de base de populacional de 5 anos (o Estudo IBSEN). Inflamm Bowel Dis. . 2006 12 jul (7): 543-50. [Ver Resumo]
  52. Solberg IC, Vatn MH, Høie O, Stray N, Sauar J, Jahnsen J, et al. Evolução clínica na Doença de Crohn: Resultados de hum Estudo de Acompanhamento de Dez Anos de bases norueguês populacional. Clin Gastroenterol Hepatol. 2007 05 de dezembro (12): 1430-8. [Ver Resumo]
  53. Lichtenstein GR, Hanauer SB, Sandborn WJ. Gestão da Doença de Crohn em Adultos. Am J Gastroenterol. 2009 fevereiro 104 (2): 465-83; teste 464, 484. [Ver Resumo]
  54. Buisson A, Chevaux JB, Allen PB, Bommelaer G, Artigo Peyrin-Biroulet L. Revisão: A História Natural da pós-operatória Doença recorrência de Crohn. Aliment Pharmacol Ther. 2012 marco 35 (6): 625-33. [Ver Resumo]
  55. Larsen S, K Bendtzen, Nielsen OH. Manifestações extra-intestinais da Doença inflamatoria intestinal: epidemiologia, diagnóstico e Gestão. Ann Med. 2010 marco 42 (2): 97-114. [Ver Resumo]
  56. Vavricka SR, Brun L, P Ballabeni, Pittet V, Prinz Vavricka BM, Zeitz J, et al. Frequência e Fatores de Risco de para manifestations extra-intestinais na Coorte inflamatoria intestinal Doença suíça. Am J Gastroenterol. 2011. 106: 110-119.
  57. [Orientação] Bernstein CN, Fried M, Krabshuis JH, Cohen H, Eliaquim R, Fedail S, et al. Orientações Práticas Mundial de Gastroenterologia Organização Para o diagnóstico e Tratamento de IBD em 2010. Inflamm Bowel Dis. 2010 16 de Janeiro (1): 112-24. [Ver Resumo]
  58. Gisbert JP, McNicholl AG. Perguntas e Respostas Sobre o papel de calprotectina fecal Como marcador biológico na Doença inflamatoria do intestino. Dig Liver Dis. 2009 janeiro 41 (1): 56-66. [Ver Resumo]
  59. Saúde Reuters. Estudo APOIA Uma Maior utilização de calprotectina fecal IBD adsorvido em pediátrica. Medscape Medical News. 27 de maio de 2013.
  60. Henderson P, NH Anderson, Wilson DC. A Precisão do diagnóstico de Fecal calprotectina Durante a Investigação de Doença inflamatoria do Intestino Pediátrica Suspeito: Uma Revisão Sistemática e meta-Análise. Am J Gastroenterol. 2013 maio 14. [Ver Resumo]
  61. Prideaux L, De Cruz P, Ng SC, Kamm MA. Anticorpos sorológicos em Doença inflamatoria intestinal: Uma Revisão Sistemática. Inflamm Bowel Dis. . 2012 18 jul (7): 1340-1355. [Ver Resumo]
  62. Int J Colorectal Dis. 2007 22 abr (4): 429-37. [Ver Resumo]
  63. Panes J, Bouzas R, Chaparro M, García-Sánchez V, Gisbert JP, Martínez de Guereñu B, et al. Revisão Sistemática: o Uso de ultra-sonografia, tomografia Computadorizada e Ressonância Magnética Para o diagnóstico, uma Avaliação da Atividade e abdominais Complicações da Doença de Crohn. Aliment Pharmacol Ther. . 2011 julho 34 (2): 125-45. [Ver Resumo]
  64. Rimola J, Ordás I, Rodriguez S, García-Bosch O, Aceituno M, Llach J, et al. A Ressonância Magnética Para a Avaliação da Doença de Crohn: Validação dos Parâmetros e índice de Gravidade de quantitativa da Actividade. Inflamm Bowel Dis. 2011 17 ago (8): 1759-1768. [Ver Resumo]
  65. Paulsen SR, Huprich JE, Fletcher JG, Booya F, Jovem BM, Fidler JL, et al. CT enterografia Como Uma Ferramenta de diagnóstico na Avaliação de Pequeños Distúrbios intestinais: Revisão da Experiência clínica com Mais de 700 Casos. Radiographics. 2006 maio-junho 26 (3): 641-57; Discussão 657-62. [Ver Resumo]
  66. Guimarães LS, Fidler JL, Fletcher JG, Bruining DH, Huprich JE, Siddiki H, et al. Avaliação da adequação das Indicações parágrafo TC enterografia em patients Mais Jovens. Inflamm Bowel Dis. 2010 16 de fevereiro (2): 226-32. [Ver Resumo]
  67. Solem CA, Loftus EV Jr, Fletcher JG, Baron TH, Gostout CJ, Petersen BT, et al. Imagem do intestino delgado na Doença de Crohn: um Estudo prospectivo de Comparação cego, 4-way. Gastrointest Endosc. 2008 agosto 68 (2): 255-66. [Ver Resumo]
  68. Wilkins T, Jarvis K, Patel J. Diagnóstico e Tratamento da Doença de Crohn. Am Fam Physician. 2011 Dez 15. 84 (12): 1365-1375. [Ver Resumo]
  69. Baumgart DC. Vigilância endoscópica na Doença e colite ulcerosa de Crohn: Quem Precisa o que e QUANDO. Dig Dis. 2011. 29 Suppl 1: 32-5. [Ver Resumo]
  70. Leighton JA, Shen B, Baron TH, Adler DG, Davila R, Egan JV, et al. ASGE Orientação: a endoscopia sem diagnóstico e Tratamento da Doença inflamatoria do intestino. Gastrointest Endosc. 2006 abril 63 (4): 558-65. [Ver Resumo]
  71. Li CY, Zhang BL, Chen CX, Li YM. OMOM cápsula endoscópica sem diagnóstico de Doenças do intestino delgado. J Zhejiang Univ Sci B. 2008 09 de novembro (11): 857-62. [Ver Resumo]
  72. Yamamoto H, Kita H, K Sunada, Hayashi Y, Sato H, Yano T. et al. Os Resultados Clínicos da endoscopia de duplo-balão PARA O diagnóstico e Tratamento de Doenças do intestino delgado. Clin Gastroenterol Hepatol. 2004 02 de novembro (11): 1010-6. [Ver Resumo]
  73. endoscopia. . 2.011 junho 43 (6): 484-9. [Ver Resumo]
  74. Gross SA, Stark ME. Experiência inicial com enteroscopia de duplo balão em hum centro EUA. Gastrointest Endosc. 2008 maio. 67 (6): 890-7. [Ver Resumo]
  75. Gerson LB, Flodin JT, Miyabayashi K. Balao-Assistida enteroscopia: Tecnologia e Solução de Problemas. Gastrointest Endosc. 2008 dezembro 68 (6): 1158-1167. [Ver Resumo]
  76. Amezaga AJ, Abordagens Práticas Van Assche G. Pará "careca" Terapias Para uma Doença de Crohn. Curr Gastroenterol Rep. . 2016 18 jul (7): 35. [Ver Resumo]
  77. Frøslie KF, Jahnsen J, Moum BA, Vatn MH. cicatrização da mucosa na Doença inflamatoria intestinal: Resultados de Uma coorte de Base norueguês populacional. Gastroenterology. 2007 agosto 133 (2): 412-22. [Ver Resumo]
  78. Schnitzler F, Fidder H, Ferrante M, Noman M, Arijs I, Van Assche G, et al. cicatrização da mucosa Preve resultado a Longo Prazo da terapia de Manutenção com infliximab na Doença de Crohn. Inflamm Bowel Dis. 2009 15 de setembro (9): 1295-301. [Ver Resumo]
  79. Baert F, Moortgat L, Van Assche L, P Caenepeel, Vergauwe P, De Vos M, et al. cicatrização da mucosa Preve um Remissão clínica Sustentada em patients com Doença em Estágio inicial de Crohn. Gastroenterology. 2010 fevereiro 138 (2): 463-8; Questionário e10-1. [Ver Resumo]
  80. Colombel JF, Sandborn WJ, Reinisch W, Mantzaris GJ, Kornbluth A, Rachmilewitz D, et al. Infliximab, azatioprina, or terapia de Combinação Para uma Doença de Crohn. N Engl J Med. 2010 Abril 15. 362 (15): 1383-1395. [Ver Resumo]
  81. Ha C, Kornbluth A. cicatrização da mucosa na Doença inflamatoria intestinal: em that Ponto Estamos. Curr Gastroenterol Rep. 2010 12 de dezembro (6): 471-8. [Ver Resumo]
  82. Feagan BG, Lemann H, Befrits R, W Connell, D’Haens G, Ghosh S, et al. RECOMENDAÇÕES PARA O Tratamento da Doença de Crohn com antagonistas do fator de necrose tumoral: um Relatório de Peritos consensus. Inflamm Bowel Dis. 2012 18 de Janeiro (1): 152-60. [Ver Resumo]
  83. Hanauer SB. Doença de Crohn: intensificar OU terapia de Cima Para Baixo. Melhor Pract Res Clin Gastroenterol. 17 de fevereiro de 2003 (1): 131-7. [Ver Resumo]
  84. Ford AC, Bernstein CN, Khan KJ, et al. Corticoterapia na Doença inflamatoria intestinal: Revisão Sistemática e meta-Análise. Am J Gastroenterol. 2011 abril 106 (4): 590-9; Questionário 600. [Ver Resumo]
  85. Ardizzone S, Cassinotti A, Duca P, et al. cicatrização da mucosa Preve Resultados tardios APOS O Primeiro de Curso de corticosteróides para á colite ulcerosa recém-diagnosticados. Clin Gastroenterol Hepatol. 2011 09 de junho (6) :. 483-489.e3. [Ver Resumo]
  86. Gordon M, Naidoo K, Thomas AG, Akobeng AK. ácido 5-aminosalicílico por vía parágrafo oral, uma Manutenção da Remissão-induzida cirurgicamente na Doença de Crohn. Cochrane Database Syst Rev. 2011. (1): CD008414. [Ver Resumo]
  87. Sandborn WJ, J Regula, Feagan BG, Belousova E, Jojic N, Lukas M, et al. Atrasou-release via oral, mesalamine 4,8 g / dia (comprimido de 800 mg) e Eficaz parágrafo patients com colite ulcerosa Moderada Ativa. Gastroenterology. 2009 dezembro 137 (6): 1934-43.e1-3. [Ver Resumo]
  88. Um Tursi, Brandimarte L, Papa A, et al. Tratamento da recidiva da colite ulcerosa Ligeira a Moderada com o probiótico VSL # 3 Como adjuvante Ao Tratamento Farmacêutica Padrão: um Estudo duplo-cego, randomizado, Controlado POR placebo. Am J Gastroenterol. 2010 outubro 105 (10): 2218-27. [Ver Resumo]
  89. Mach T. Utilidade clínica dos probióticos em Doenças inflamatórias do intestino. J. Physiol Pharmacol. 2006 Nov. 57 Supl 9: 23-33. [Ver Resumo]
  90. Khan KJ, Ullman TA, Ford AC, et al. antibioticoterapia na Doença inflamatoria intestinal: Uma Revisão Sistemática e meta-Análise. Am J Gastroenterol. 2011 abril 106 (4): 661-73. [Ver Resumo]
  91. [Orientação] Lichtenstein GR, Abreu MT, Cohen R, Tremaine W. American Gastroenterological Association Instituto posição declaração médica Sobre os corticosteróides, imunomoduladores, e infliximab na Doença inflamatoria intestinal. Gastroenterology. 2006 marco 130 (3): 935-9. [Ver Resumo]
  92. Silverman J, Otley A. budesonida não Tratamento da Doença inflamatoria do intestino. Especialista Rev Clin Immunol. 2011 07 de julho (4) :. 419-28. [Ver Resumo]
  93. Oren R, Arber N, Odes S, Moshkowitz M, Keter D, Pomeranz I, et al. Metotrexato em colite ulcerativa chronic Ativa: um Estudo duplo-cego, randomizado, Multicêntrico Julgamento israelense. Gastroenterology. 1996 maio. 110 (5): 1416-1421. [Ver Resumo]
  94. Khan KJ, Dubinsky MC, Ford AC, Ullman TA, Talley NJ, Moayyedi P. eficacia da terapia imunossupressora parágrafo a Doença inflamatoria intestinal: Uma Revisão Sistemática e meta-Análise. Am J Gastroenterol. 2011 abril 106 (4): 630-42. [Ver Resumo]
  95. Vande Casteele N, Ferrante M, Van Assche G, et al. Como concentrações Mínimas de guia infliximab Dosagem parágrafo patients com Doença inflamatoria intestinal. Gastroenterology. 2015 junho 148 (7) :. 1320-9.e3. [Ver Resumo]
  96. Ford AC, Sandborn WJ, Khan KJ, et al. Eficacia das terapéuticas biológicas na Doença inflamatoria intestinal: Revisão Sistemática e meta-Análise. Am J Gastroenterol. 2011 abril 106 (4): 644-59, quiz 660. [Ver Resumo]
  97. Rubin DT, Panaccione R, Chao J, Robinson AM. Hum, Guia-base de em Provas Prático PARA O USO de adalimumab na Doença de Crohn. Curr Med Res Opin. 2011 setembro 27 (9): 1803-1813. [Ver Resumo]
  98. Louis E, Maria JY, Vernier-Massouille L, JC Grimaud, Bouhnik Y, Laharie D, et al. Manutenção da Remissão Entre OS PACIENTES COM Doença de Crohn em terapia anti-metabolito APOS Terapêutica com infliximab para interrompido. Gastroenterology. 2012 janeiro 142 (1): 63-70.e5; Questionário E31. [Ver Resumo]
  99. Rubin DT, Panaccione R, Chao J, Robinson AM. Hum, Guia-base de em Provas Prático PARA O USO de adalimumab na Doença de Crohn. Curr Med Res Opin. 2011 setembro 27 (9): 1803-1813. [Ver Resumo]
  100. US Food and Drug Administration. FDA Comunicação de Segurança de droga: Novo Fator de Risco parágrafo leucoencefalopatia multifocal progressiva (LMP) Associada com Tysabri (natalizumab). Available in http://www.fda.gov/drugs/drugsafety/ucm288186.htm. Acesso em: 11 de julho de 2012.
  101. Brown T. FDA OKs Vedolizumab (Entyvio) Para um ulcerosa colite, Doença de Crohn. Medscape Medical News. 20 de maio de 2014.
  102. Chen JH, Andrews JM, Kariyawasam V, et al, parágrafo a Organização Sydney IBD e Os Australianos Doenças inflamatórias intestinais Consenso fazer Grupo de Trabalho. Artigo de Revisão: colite ulcerativa aguda grave – Declarações de Consenso baseadas EM Evidências. Aliment Pharmacol Ther. . 2016 julho 44 (2): 127-44. [Ver Resumo]
  103. terapia Peyrin-Biroulet L. anti-TNF em Doenças inflamatórias do intestino: um enorme Avaliação. Minerva Gastroenterol Dietol. . 2.010 junho 56 (2): 233-43. [Ver Resumo]
  104. US Food and Drug Administration. Fator de Necrose Tumoral alfa (TNF?) Bloqueadores: Label Mudança – alerta em caixa Atualizado parágrafo Risco de Infecção POR Legionella e Listeria Postado 07 de setembro de 2011. Disponível em http://www.fda.gov/Safety/MedWatch/SafetyInformation / SafetyAlertsforHumanMedicalProducts / ucm270977.htm. Acesso em: 05 de abril de 2012.
  105. Mokrowiecka A, Daniel P, Slomka M, Majak P, Malecka-Panas E. Utilidade Clínica dos Marcadores sorológicos de Doença inflamatoria intestinal. Hepatogastroenterology. 2009 Jan-fevereiro 56 (89): 162-6. [Ver Resumo]
  106. Kefalakes H, Stylianides TJ, Amanakis G, Kolios G. exacerbação de Doenças intestinais inflamatórias Associadas COM o Uso de Medicamentos anti-Inflamatórios Não-Esteroides: mito OU Realidade. Eur J Clin Pharmacol. 2009 outubro 65 (10): 963-70. [Ver Resumo]
  107. de Silva S, Ma C, Proulx MC, et al. Complicações pós-operatórias e Mortalidade seguintes colectomia parágrafo a colite ulcerosa. Clin Gastroenterol Hepatol. 2011 09 de novembro (11): 972-80. [Ver Resumo]
  108. Lazarev M, Ullman T, Schraut WH, Kip KE, Saul M, como taxas de ressecção do intestino delgado Regueiro M. na Doença de Crohn e uma indicação Cirúrgica Ao Longo do Tempo: a Experiência de hum grande centro de atendimento terciario. Inflamm Bowel Dis. 2010 maio. 16 (5): 830-5. [Ver Resumo]
  109. Faculdade de Unidade de eficacia Clínica e Sexual Reprodutiva Saúde. Saúde sexual e reprodutiva de para individuos com Doença inflamatoria intestinal. Londres (Reino Unido): Faculdade de Saúde Sexual e Reprodutiva (FSRH); De 2009.
  110. Yamamoto T, Nakahigashi M, Umegae S, Matsumoto K. Ensaio prospectivo clínico: Nutrição infliximab Durante enteral Manutenção na Doença de Crohn. J Gastroenterol. 2010. 45 (1): 24-9. [Ver Resumo]
  111. Helwick C. Baixos de vitamina D agrava Doença inflamatoria intestinal. Medscape Medical News. 21 de maio de 2013.
  112. Ananthakrishnan AN, Cagan A, Gainer VS, et al. Normalização dos níveis de vitamina D ESTÁ Associada à Redução do Risco de Cirurgia e internação na Doença inflamatoria intestinal: um Estudo prospectivo. Gastroenterology. 2013 maio. 144 (5 Supl 1): S-1.
  113. Raftery TC, Healy H, Cox G, et al. A suplementação de vitamina D melhora a Força muscular, fadiga e Qualidade de vida em patients com Doença de Crohn em Remissão: Resultados de hum Estudo Controlado POR placebo, duplo-cego randomizado. Gastroenterology. 2013 maio. 144 (5 Suppl 1): S-227.
  114. Johannesson E, Simren M, Strid H, Bajor A, Atividade Física Sadik R. melhora OS síntomas de síndrome do intestino irritável: um Estudo Controlado randomizado. Am J Gastroenterol. 2011 maio. 106 (5): 915-22. [Ver Resumo]
  115. Gisbert JP. Segurança de imunomoduladores e Produtos Biológicos Para o Tratamento da Doença inflamatoria do intestino Durante a Gravidez e aleitamento. Inflamm Bowel Dis. 2010 maio. 16 (5): 881-95. [Ver Resumo]
  116. Pew Research Center. O Banco de Dados: 10,000 – Baby Boomers aposentar. Available in http://pewresearch.org/databank/dailynumber/?NumberID=1150. Acesso em: 03 de agosto de 2012.
  117. Schnitzler F, Fidder H, Ferrante M, V Ballet, Noman M, Van Assche G, et al. Resultado da Gravidez em Mulheres com Doença inflamatoria intestinal Tratados com terapia de Fator de necrose antitumoral. Inflamm Bowel Dis. 2011 17 de setembro (9): 1846-1854. [Ver Resumo]
  118. Zelinkova Z, de Haar C, de Ridder L, Pierik MJ, Kuipers EJ, Peppelenbosch MP, et al. a Exposição intra-uterina Alta Ao infliximab Apos o Tratamento anti-TNF materno Durante a Gravidez. Aliment Pharmacol Ther. 2011 maio. 33 (9): 1053-8. [Ver Resumo]
  119. Roux CH, Brocq O, V Breuil, Albert C, Euller-Ziegler L. Gravidez em Pacientes expostas Reumatologia Ao fator de necrose anti-tumoral (TNF) -alfa terapia. Rheumatology (Oxford). 2007 Abril 46 (4): 695-8. [Ver Resumo]
  120. O’Donnell S, Artigo O’MÓRÁIN C. Revisão: USO da terapia de Fator de necrose antitumoral na Doença inflamatoria Durante intestinal a Gravidez e Concepção. Aliment Pharmacol Ther. 2008 maio. 27 (10): 885-94. [Ver Resumo]
  121. Casanova MJ, Chaparro M, Domènech E, Barreiro-de Acosta M, Bermejo F, Iglesias E, et al. Segurança da tiopurinas e anti-TNF-a Durante drogas a Gravidez em patients com Doença inflamatoria intestinal. Am J Gastroenterol. 2013 marco 108 (3): 433-40. [Ver Resumo]
  122. Rajaratnam SG, Eglinton TW, Hider P, Fearnhead NS. Impacto da anastomose ileal malote-anal na Fertilidade feminina: meta-Análise e Revisão Sistemática. Int J Colorectal Dis. 2011 26 de novembro (11): 1365-1374. [Ver Resumo]
  123. Bartels SA, D’Hoore A, Cuesta MA, Bensdorp AJ, Lucas C, Bemelman WA. Aumentou significativamente Taxas de Gravidez DEPOIS de Laparoscopic Restorative Proctocolectomia: Um Estudo transversal. Ann Surg. 2012 17 de maio [Ver Resumo]
  124. Brooklyn TN, Dunnill MG, Shetty A, Bowden JJ, Williams JD, Griffiths CE, et al. Infliximab Para o Tratamento de pioderma gangrenoso: um, duplo cego, Controlado POR placebo, randomizado. intestino. 2006 abril 55 (4): 505-9. [Ver Resumo]
  125. Akbari M, Shah S, Velayos FS, Mahadevan U, Cheifetz AS. Revisão Sistemática e meta-Análise Sobre os Efeitos da tiopurinas Sobre os Resultados do Parto de patients fazer sexo feminino e masculino com Doença inflamatoria intestinal. Inflamm Bowel Dis. 2012 Mar 20. [Ver Resumo]
  126. Francella A, Dyan A, Bodian C, Rubin P, Chapman M, DH Presente. A Segurança de 6-mercaptopurina parágrafo engravidar patients com Doença inflamatoria intestinal: um Estudo de coorte retrospectivo. Gastroenterology. 2003 janeiro 124 (1): 9-17. [Ver Resumo]
  127. Garcia-Erce JA, Gomollón F, Muñoz M. A Transfusão de sangue Para o Tratamento da anemia aguda, Doença e inflamatoria intestinal Outras Doenças do Aparelho digestivo. Mundo J Gastroenterol. 2009 a 7. 15 (37): 4686-94. [Ver Resumo]
  128. Granlund AB, Beisvag V, Torp SH, Flatberg A, Kleveland PM, Ostvik AE, et al. A ACTIVAÇÃO de Proteínas da Família REG na colite. Scand J Gastroenterol. 2011 novembro 46 (11): 1316-1323. [Ver Resumo]
  129. Kennedy NA, Rhatigan E, Arnott ID, et ai. Um Ensaio de mercaptopurina E UMA Estratégia segura em patients com Doença inflamatoria intolerantes intestinais À azatioprina: Um Estudo observacional, Revisão Sistemática e meta-Análise. Aliment Pharmacol Ther. Novembro de 2013. 38 (10): 1255-1266. [Ver Resumo]
  130. Kristensen SL, Ahlehoff O, Lindhardsen J, R Erichsen, Lamberts H, Khalid L, et ai. Prognóstico APOS First-Time do miocardio em Pacientes com Doença inflamatoria intestinal according com a Doença Atividade: Nationwide Cohort Study. Circ Cardiovasc melho Outcomes. 2014 outubro 14. [Ver Resumo]
  131. Stiles S. Heartwire. ulcerativa colite, alargamentos de Crohn PODE Levantar pós-MI Risco: Estudo de Registo. Medscape Medical News. 17 de outubro de 2014.
  132. Instituto Nacional de Saúde e Excelência Clínica (NICE). colonoscópico Vigilância Para uma Prevenção do Cancro colo-rectal EM PESSOAS COM colite ulcerativa, Doença de Crohn adenomas UO. Londres, Reino Unido: Instituto Nacional de Saúde e Excelência Clínica (NICE); 2011.
  133. Bryant RV, Brain O, Travis SP. A terapia farmacológica convencional Para a Doença inflamatoria do intestino. Scand J Gastroenterol. 2015 janeiro 50 (1): 90-112. [Ver Resumo]
  134. Garg SK, Risco Loftus EV Jr. de Câncer em Doença inflamatoria intestinal: Subindo, Descendo, OU AINDA O MESMO. Curr Opin Gastroenterol. . 2016 julho 32 (4): 274-81. [Ver Resumo]
  135. Schaefer JS. MicroRNAs: QUANTOS NA Doença inflamatoria intestinal. Curr Opin Gastroenterol. . 2016 julho 32 (4): 258-66. [Ver Resumo]
  136. Bernstein CN. A TODAS como PESSOAS COM Doença inflamatoria do intestino NECESSITA de Ser TRATADO com terapia de Combinação. Curr Opin Gastroenterol. . 2016 julho 32 (4): 287-93. [Ver Resumo]
  137. Atreya R, Neurath MF. Faça o Banco de Cabeceira: imagiologia molecular EM Doenças inflamatórias intestinais. Curr Opin Gastroenterol. . 2016 julho 32 (4): 245-50. [Ver Resumo]

colite sepulturas observadas Durante uma colonoscopia em hum Paciente com Doença inflamatoria intestinal. A mucosa E grosseiramente desnudado, com sangramento Ativo observou. O Paciente Teve Seu cólon ressecado Muito POUCO DEPOIS ritmo foi obtido este Ponto de vista.

colite sepulturas observadas Durante uma colonoscopia em hum Paciente com Doença inflamatoria intestinal. A mucosa E grosseiramente desnudado, com sangramento Ativo observou. O Paciente Teve Seu cólon ressecado Muito POUCO DEPOIS ritmo foi obtido este Ponto de vista.

mensagens Relacionados

  • Um intestinal Doença inflamatoria (DII) …

    Definição A Doença inflamatoria intestinal (DII) ENVOLVE um Inflamação Crônica da totalidade OU parte do Seu trato digestivo. IBD inclui principalmente colite ulcerativa e Doença de Crohn. Ambos normalmente …

  • o Tratamento da Doença inflamatoria

    Consenso Brasileiro Sobre a doen a inflamat ria brasileiro intestinal Grupo de Estudo de Doenças inflamatórias intestinais * Descritores: Doença de Crohn. Colite, ulcerosa. Consenso. Este O Primeiro …

  • Doença inflamatoria intestinal (DII) …

    Os síntomas da Doença Os síntomas de variando de leve uma grave Doença de Crohn, Os síntomas da Doença de Crohn PODE surgir subitamente OU desenvolver gradualmente Ao Longo do Tempo. Alguns dos Sinais e síntomas incluem: …

  • Doença inflamatoria intestinal, Os síntomas colonoscopia.

    Doença Doença relacionada Perguntas Inflammatory Bowel Disease Crohn Crohn E UMA Doença auto-imune Que PODE ocorrer em varios Pontos Ao Longo do gastrointestinal trato (GI), a Partir da …

  • o Tratamento da Doença inflamatoria

    Departamento de Oncologia, Segundo Hospital Afiliado da Universidade Nanchang, Minde Road 1, Nanchang, Jiangxi 330006, China Academic fazer o Editor: Claudio Letizia Abstract Doença inflamatoria intestinal …

  • o Tratamento da Doença inflamatoria

    Colonoscopias Salvar Vidas. E simples assim. QUANDO o Câncer E Descoberto Durante Exames de Rotina, patients OS TEM Uma taxa de Sobrevivência de 90%. Se OS síntomas estimular A Descoberta do Câncer, uma taxa de Sobrevivência cai …