JCI – Inflamação, atrofia, e …

JCI – Inflamação, atrofia, e …

JCI - Inflamação, atrofia, e ...

Division 1 de Medicina Comparativa, Institute of Technology, Cambridge, Massachusetts, EUA Massachusetts. 2 Divisão de digestivo e fazer Fígado Doenças, Columbia University Medical Center, New York, New York, EUA.

Endereço para correspondência: James G. Fox, Divisão de Medicina Comparativa, Instituto de Tecnologia de Massachusetts, 77 Massachusetts Avenue, Edifício 16-825C, Cambridge, Massachusetts 02139, EUA. Telefone: (617) 253-1735; Fax: (617) 252-1877; E-mail: jgfox@mit.edu.

Division 1 de Medicina Comparativa, Institute of Technology, Cambridge, Massachusetts, EUA Massachusetts. 2 Divisão de digestivo e fazer Fígado Doenças, Columbia University Medical Center, New York, New York, EUA.

Endereço para correspondência: James G. Fox, Divisão de Medicina Comparativa, Instituto de Tecnologia de Massachusetts, 77 Massachusetts Avenue, Edifício 16-825C, Cambridge, Massachusetts 02139, EUA. Telefone: (617) 253-1735; Fax: (617) 252-1877; E-mail: jgfox@mit.edu.

Publicado Pela Primeira vez 01 de dezembro de 2006

A Associação entre Inflamação chronic e Câncer ESTÁ ágora Bem estabelecida. This Associação recebeu recentemente hum Interesse Renovado com o Reconhecimento de that patógenos microbianos PODE Ser Responsável Pela Inflamação chronic observada em MUITOS Tipos de Câncer, particularmente como originárias não gastrointestinal Sistema. Um bom Exemplo E Helicobacter pylori. Que infecta 50% da População do Mundo e ágora E conhecido POR Ser Responsável POR induzir uma Inflamação gástrica chronic, that evolui parágrafo atrofia, metaplasia, displasia e Câncer gástrico. This Revisão fornece Uma Visão Geral dos Progressos Recentes na elucidação das Propriedades bacterianas Responsáveis ​​Pela Colonização fazer Estômago, um Persistência não Estômago, e desencadeamento de Inflamação, Bem Como OS Factores fazer hospedeiro Que Tem hum papel na Determinação se uma gastrite PROGRIDE Para Câncer gástrico. NÓS TAMBÉM discutir Como o aumento da Compreensão da Relação Entre Inflamação e Câncer gástrico AINDA Deixa MUITAS Perguntas sem Sobre RESPOSTA como RECOMENDAÇÕES Para Prevenção e Tratamento.

Embora o Câncer gástrico foi a principal causa de morte POR Câncer Nos Estados Unidos e na Europa Ocidental Como recentemente, em 1930, com taxas de incidencia em Homens superiores a 45 POR 100.000, um ao declínio na Incidência de e Mortalidade em Todos Os Países Onde OS Números de Mortalidade POR Câncer São registrados TEM were anotados (1). Apesar Desta Tendência internacional, câncer gástrico continua a Sor O Quarto Câncer Mais Comum ea Segunda principais causa de morte relacionada Ao Câncer em TODO o mundo (2).

Diagrama Que representação a anatomia do Estômago e Representação histológica das Glandulas oxínticas do Corpo do Estômago. E estas Glandulas, Que incluem Células parietais, Que São perdidos na gástrica atrofia. Adaptado com Permissão de W. B. Saunders Co. (122).

Papel dos Fatores de Virulência da bactéria em H. pylori Persistência e Câncer gástrico

Os Factores bacterianos Que permitem H. pylori a persistir no Lúmen gástrico AINDA estao Sendo estudados, mas o discernimento considerável TEM SIDO obtido atraves da Análise da H. pylori genoma, a Criação de H. pylori Mutantes isogênicos, e o Uso de modelos animais. Fatores Críticos, permitindo H. pylori Colonização e Sobrevivência no hospedeiro incluem um CAPACIDADE das Bactérias parágrafo Produzir Grandes quantidades de urease, that hidrolisa ureia parágrafo amoníaco e dióxido de carbono e, Assim, TEM UM papel na neutralização do ácido gástrico; a Presença de flagelos, Que permitem that como Bactérias Para Ser Móveis, Navegar e persistentemente colonizar a Camada de muco Que cobre o epitélio gástrico; e um CAPACIDADE das Bactérias parágrafo Produzir Enzimas that decompõem a Camada de agente tensioactivo Sobre o epitélio gástrico, O Que permite o Acesso das Bactérias AOS Componentes nutricionais do hospedeiro.

O CAG lócus. OS 2 loci Genéticos Associados a Virulência e inflamatórias Respostas that were Mais estudados São S cag e o lócus vac Hum gene (41). a Infecção com H. pylori Como estirpes Que Contém o cag lócus, Uma Região de 40 kb de ADN conhecidos Como um cag ilha de patogenicidade (cag PAI), confere hum Maior Risco de Câncer gástrico fazer that a Infecção com estirpes that NÃO o fazem (42. 43). A Associação entre a cag PAI e Câncer gástrico E particularmente manifesto parágrafo Câncer gástrico fazer intestinal tipo. Com Efeito, embora o Câncer gástrico fazer tipo difuso ESTÁ Fortemente Associada com a Infecção POR H. pylori, -se igualmente Associado com estirpes contendo o cag PAI e aqueles that falta (42). Individuos infectados com H. pylori estirpes Que Contém o cag PAI TEM TAMBÉM Sido demonstrado Que Tem UMA Maior Probabilidade de Ter Mutações no gene p53 codifica that (44). Isto É correlaciona-se com a Observação de that p53 +/ – Ratinhos transgénicos PARA O lacl fazer gene (that permite AOS Investigadores parágrafo Medir a taxa Mutações genéticas DE) Que estao Cronicamente infectados com felis Helicobacter TEM UM aumento Acumulado Mutações Tecido gástrico e ostensivamente hum Risco aumentado de Câncer (45).

cepas de H. pylori contendo hum funcional cag PAI PODE induzir como Células epiteliais parágrafo a Produção de moduladores de pró-inflamatórias, Tais Como IL-8 in vitro (49). genes mutantes isogénicas falta 1 OU Vários fazer cag PAI Não Tem cessos Efeitos in vitro, enquanto H. pylori Mutantes isog�nicas falta cagA. cagF, UO Cagn AINDA São capazes de induzir uma Produção de IL-8 in vitro (41. 50. 51).

EM GERAL, Factores bacterianos TEM claramente hum papel na Indução de tanto um Inflamação e lesão das Células epiteliais, e como estirpes de H. pylori Que Contém hum funcional cag PAI São Mais Fortemente Associados com hum Risco de desenvolver Câncer. No entanto, Factores bacterianos Específicos nao tem mostrado ter hum papel directo na Perda de Células parietais e Células principais, O Que conduz à atrofia gástrica.

Resultados da Inflamação chronic sem regulação positiva de Diversas citocinas e quimiocinas EO Recrutamento de numerosas Populações hematopoiéticas parágrafo OS Tecidos inflamados. Embora OS ESTUDOS TEM-SE CENTRADO em Tipos de Células imunitárias Bem definidas, recentemente, TEM SIDO reconhecido that uma crónica Inflamação – Além de induzir a Perda de Células parietais e Células principais na mucosa gástrica glandular – Estimula o Recrutamento de Populações de Células progenitoras Pará o Estômago e Seu enxerto subsequente. Vários Relatórios Tem demonstrado that um Inflamação crónica lev Ao Recrutamento de osso progenitores endoteliais derivadas da medula e miofibroblastos derivadas de medula óssea em modelos de ratos com colite e hepatite (82-84). Populações de Células SIMILARES São recrutados PARA O Estômago em Helicobacter -gastrite induzida (T. C. Wang, OBSERVAÇÕES NÃO Publicadas), mas OS ESTUDOS Neste modelo de Câncer gástrico also that revelaram um Inflamação crónica lev Ao Recrutamento de Células epiteliais derivadas da medula óssea (28). Dados acumulando APOIAR a Noção de that como Células derivadas da medula óssea adulta (BMDCs) TEM UM Surpreendente grau de plasticidade, contrariando a Visão convencional de that como Células estaminais da medula óssea Dão Origem APENAS um Elementos sem estroma sangue e medula Periférica (85) . De facto, mostrámos Que, em Ratinhos C57BL / 6 murganhos transplantados com medula óssea acentuada e infectadas com H. felis. Mais metaplasia, displasia, Câncer e foi Doador-Derivado e, Por conseguinte, surgiu a Partir BMDCs (28). Estes Estudos Iniciais NÃO apoiam hum papel parágrafo a Fusão das Células Neste modelo, embora OS Dados de Outros Laboratórios TEM sugerido that uma Fusão Celular e o diretor Mecanismo Responsável Pela hepatocitos de osso derivadas de medula (86) e como celulas intestinais (87. 88 ). Curiosamente, Não foi observado o Recrutamento de BMDCs parágrafo a mucosa gástrica Durante Infecção aguda com gástrica Helicobacter spp. NEM foi observado Durante QUALQUÉR ulceração aguda OU Perda de Células parietais induzida POR drogas. Em vez Disso, metaplasia BMDC Derivado surgiu APENAS na configuracao de Inflamação sepultura, crónica (28) (Figura 5).

Existe ACTUALMENTE UM Interesse considerável na Definição da Associação entre Inflamação chronic e Recrutamento de BMDCs, e Os Mecanismos envolvidos. Seria de Esperar Que envolvem um Regulação positiva de citocinas pró-inflamatórias (Exemplo POR, IL-1β, TNF-α, e IL-6), Bem Como quimiocinas, Tais Como CXC-quimioquina Ligando 12 (CXCL12; also Conhecido como SDF) , conhecido POR contribuem PARA O Recrutamento de Células progenitoras. Estudos Recentes apontaram Pará miofibroblastos activados, OS Quais São a-SMA-expressando como Células estromais Que formam o nicho de Células estaminais, Como uma fonte provável da CXCL12 that medeia o Recrutamento de Células progenitoras (89).

Embora se POSSA Supor Que o diretor papel da H. pylori não Câncer gástrico E a Indução de gastrite atrófica e acloridria, um papel Importante na Progressão do Câncer gástrico Pará um Colonização com não-Helicobacter spp. NÃO foi Definida. No entanto, um Colonização bacteriana do Estômago achlorhydric E provável Que seja Importante na Progressão do Câncer gástrico, e desen-se considerar Que nd H. pylori Pacientes infectados, Os Efeitos benéficos dos Antibióticos PODE Ser tanto de supressão de não-H. pylori Organismos, Uma Vez Que É A Partir de H. pylori erradicação.

Estratégias parágrafo TRATAR H. pylori Infecção em Populações de Risco

abreviaturas NÃO Padronizadas Usadas: BMDC, de Células derivadas de medula óssea; Le b. Lewis B; NOD1, oligomerização de Ligação de nucleotídeos domain-1; PAI, ilha de patogenicidade; PPI, inibidor da bomba de protões; SHH, sonic hedgehog; SPEM, espasmolítico-expressando polipéptido metaplasia; Vac, vacuolating citotoxina.

Conflito de Interesses: Os Autores declararam that Nenhum Conflito de Interesse Existe.

  1. Ries, L.A.G. et ai. 2005. SEER Cancer Statistics Review, 1975-2002. National Cancer Institute. Bethesda, Maryland, EUA. http://seer.cancer.gov/csr/1975_2002/.
  2. Parkin, D.M. Pisani, P. Ferlay, J. 1999. Estatísticas de Câncer Globais. CA Câncer J. Clin.49 : 33-64.
  3. Lauren, P. 1965. Os Dois principais Tipos histológicos de carcinoma gástrico: difuso e chamados OS fazer carcinoma intestinal tipo. Uma Tentativa de Uma classificação histo-clínica. Acta Pathol. Microbiol. Scand.64 : 31-49.
  4. Cuello, C. et ai. 1979. Histopatologia das displasias gástrico: Correlação com a química suco gástrico. Sou. J. Surg. Pathol.3 : 491-500.
  5. Philip, M. Rowley, D. A. Schreiber, H. 2004. A Inflamação Como promotor de tumor na Indução de Câncer. Semin. Cancer Biol.14 : 433-439.
  6. Gilmour, J. 1958. Aspectos Clínicos da carcinoma do estomago há baseia-se Diagnóstico há Estudo de 146 Casos. Br. Med. J.5073 : 745-748.
  7. Gilmour, J. 1961. Os Aspectos Surgical de gastrite e Seu papel na patologia gástrica. Br. J. Surg.49 : 278-288.
  8. Siurala, M. Isokoski, M. Varis, K. Kekki, M. 1968. A Prevalência da gastrite em Uma População rural. acaso Estudo Bioptic de individuos escolhidos ao. Scand. J. Gastroenterol.3 : 211-223.
  9. Correa, P. 1980. A epidemiologia e patogênese da gastrite crónica: Três Entidades etiológicos. Frente. Gastrointest. Res.6 : 98-108.
  10. Correa, P. 1985. Como implicações Clínicas de Desenvolvimentos Recentes na patologia Câncer gástrico e epidemiologia. Semin. Oncol.12 : 2-10.
  11. Correia, P. 1983. gastrite atrófica crónica Como hum precursor de Câncer. lesões InPrecancerous fazer tracto gastrointestinal. P. Sherlock, B. Morson, L. Barbara, e U. Veronesi, Editores. Raven Press. Nova Iorque, Nova Iorque, EUA. 145-153.
  12. Bonne, C. et ai. 1938. Morfologia do Estômago e secreção gástrica na incidencia malaios e Chineses de eo Diferente de úlcera gástrica e câncer nestas corridas. Sou. J. Câncer.33 : 265-279.
  13. Siurala, M. Varis, K. Wiljasalo, M. 1966. Estudos de patients com gastrite atrófica: 10-15 ano de follow-up. Scand. J. Gastroenterol.1 : 40-48.
  14. Fox, J. G. Wang, T.C. De 2001. Helicobacter pylori – NÃO UM BOM bug DEPOIS de tudo! N. Engl. J. Med.345 : 829-832.
  15. Correia, P. 1995. Helicobacter pylori e carcinogênese gástrica. Sou. J. Surg. Pathol.19 (Suppl. 1) : S37-S43.
  16. Genta, R.M. De 1997. Helicobacter pylori. Inflamação, lesão da mucosa, e apoptose: patogênese e Definição de atrofia gástrica. Gastroenterology.113 (Suppl. 6) : S51-S55.
  17. El-Zimaity, H. M. et ai. 2002. Os Padrões de atrofia gástrica sem gástrico carcinoma tipo intestinal. Câncer.94 : 1428-1436.
  18. Schmidt, P. H. et ai. 1999. A identificação de Uma linhagem de Células metaplásicas Associado com adenocarcinoma gástrico humano. Lab. Investir.79 : 639-646.
  19. Halldórsdóttir, A.M. et ai. 2003. metaplasia spasmolytic polipeptídeos expressando (SPEM) Associados com Câncer gástrico na Islândia. Escavação. Dis. Sci.48 : 431-441.
  20. Fox, J. G. et ai. 1996. hipertrófica em gastropatia felis Helicobacter -infectadas de tipo Selvagem C57BL / 6 e Ratinhos transgénicos hemizigóticas p53. Gastroenterology.110 : 155-166.
  21. Wang, T.C. et ai. 1998. Ratos falta de secreção fosfolipase A2 mostram ALTERADOS apoptose e diferenciação com felis Helicobacter Infecção. Gastroenterology.114 : 675-689.
  22. Li, Q. Karam, S.M. Gordon, J.I. ablação de Células parietais 1996. toxina da difteria-mediado não Estômago de Ratinhos transgénicos. J. Biol. Chem.271 : 3671-3676.
  23. Van den Brink, G. R. et ai. 2001. sonora hedgehog regula morfogênese da glândula gástrica nenhum homem e mouse. Gastroenterology.121 : 317-328.
  24. Shiotani, A. et ai. 2005. A Evidência de that a Perda de hedgehog Sonic e Um indicador de Helicobacter pylori -induzida gastrite atrófica Progressão PARA O Câncer gástrico. Sou. J. Gastroenterol.100 : 581-587.
  25. Ramalho-Santos, M. Melton, D. A. McMahon, A. P. 2000. Sinais Hedgehog regulam Vários Aspectos do Desenvolvimento gastrointestinal. Desenvolvimento.127 : 2763-2772.
  26. Goldenring, J. R. et ai. 2000. reversível droga-induzida atrofia ratos oxíntica EM. Gastroenterology.118 : 1080-1093.
  27. Nomura, S. et ai. 2005. Alterações em Linhagens de mucosa gástrica induzidos Pela atrofia oxíntica aguda em Ratinhos de tipo Selvagem e de gastrina-deficiente. Sou. J. Physiol. Gastrointest. Liver Physiol.288 : G362-G375.
  28. Houghton, J. et ai. 2004. O Câncer gástrico proveniente de Células derivadas de medula óssea. Ciência.306 : 1568-1571.
  29. Taylor, D. e Parsonnet, J. 1995. Como Infecções do tracto gastrointestinal. InInfections fazer tracto gastrointestinal. M.J. Blaser, P. Smith, J. Ravdin, H. Greenberg, R. e Guerrant, Editores. Raven Press. Nova Iorque, Nova Iorque, EUA. 551-563.
  30. Hansson, L. E. et ai. 1996. O Risco de Câncer de Estômago em patients com úlcera gástrica OU duodenal. N. Engl. J. Med.335 : 242-249.
  31. Oh, J.D. Karam, S.M. Gordon, J.I. 2005. intracelular Helicobacter pylori em progenitores epiteliais gástricas. Proc. Natl. Acad. Sci. EUA.102 : 5186-5191.
  32. Wilkinson, S. M. Uhl, J. R. Kline, aC Cockerill, F.R. 1998. Avaliação de Frequências Invasão de Células cultivadas HEp-2 POR Isolados Clínicos de Helicobacter pylori utilizando hum Ensaio laranja de acridina. J. Clin. Pathol.51 : 127-133.
  33. Semino-Mora, C. et ai. 2003. intracelular e intersticial de Expressão Helicobacter pylori genes de Virulência em metaplasia intestinal pré-cancerosas gástricas e adenocarcinoma. J. Infect. Dis.187 : 1165-1177.
  34. Ilver, D. et ai. 1998. Helicobacter pylori Adesina Ligação fucosilado antigénios do grupo remarcação revelados Pela histo-sangue. Ciência.279 : 373-377.
  35. Backstrom, A. et ai. 2004. metaestabilidade de Helicobacter pylori genes Adesina bab e Dinâmicas em antígeno de Lewis b vinculativo. Proc. Natl. Acad. Sci. EUA.101 : 16,923-16,928.
  36. Gerhard, M. et ai. 1999. Relevância clínica da Helicobacter pylori gene para-grupo sanguíneo Adesina de Ligação Ao antigénio. Proc. Natl. Acad. Sci. EUA.96 : 12,778-12,783.
  37. Hansson, L. E. et ai. De 1993. Helicobacter pylori Infecção: indicador de Risco Independente de gástrico adenocarcinoma. Gastroenterology.105 : 1098-1103.
  38. Mahdavi, J. et ai. 2002. Helicobacter pylori Adesina adesina SabA Adesina na Infecção persistente e Inflamação crónica. Ciência.297 : 573-578.
  39. Linden, S. et ai. 2002. Strain- e sangue-grupo Ligação Dependente de Helicobacter pylori glicoformas parágrafo MUC5AC gástricos Humanos. Gastroenterology.123 : 1923-1930.
  40. Clyne, M. et ai. 2004. Helicobacter pylori Interage com o dominio único TFF1 trevo proteína humana. Proc. Natl. Acad. Sci. EUA.101 : 7409-7414.
  41. Peek, R.M. Crabtree, J. E. 2006. Infecção POR Helicobacter e neoplasia gástrica. J. Pathol.208 : 233-248.
  42. Parsonnet, J. Friedman, G. D. Orentreich, N. Vogelman, H. 1997. Risco de Câncer gástrico em PESSOAS COM CagA negativo positivo OU CagA Helicobacter pylori Infecção. Intestino.40 : 297-301.
  43. Enroth, H. et ai. 2000. Helicobacter pylori Tipos de Tensão e Risco de Câncer gástrico: um Estudo de Caso-Controle. Cancer Epidemiol. Biomarkers Prev.9 : 981-985.
  44. Shibata, R. et ai. 2002. Estatuto CagA de Helicobacter pylori Mutações de Infecção e gene p53 não gástrico adenocarcinoma. Carcinogênese.23 : 419-424.
  45. Tulsa, P. J. et ai. 2003. Infecção de Longo Prazo com felis Helicobacter e inativação do gene supressor tumoral p53 cumulativamente Aumentar a Frequência de mutação gástrica em camundongos transgênicos azul grande. J. Pathol.201 : 596-602.
  46. De Higashi, H. et ai. 2002. SHP-2 da fosfatase da tirosina Como hum Alvo intracelular de Helicobacter pylori proteína CagA. Ciência.295 : 683-686.
  47. Tsutsumi, R. et ai. Atenuação de 2003. Helicobacter pylori CagA x SHP-2 Sinalização atraves da Interacção Entre CagA e C-terminal de Src quinase. J. Biol. Chem.278 : 3664-3670.
  48. De Higashi, H. et ai. 2002. A Actividade Biológica do Helicobacter pylori fator CagA de Virulência E determinada Pela Variação nsa LOCAIS de fosforilação de tirosina. Proc. Natl. Acad. Sci. EUA.99 : 14,428-14,433.
  49. Crabtree, J. E. et ai. 1995. A Indução da secreção de interleucina-8 A Partir de Células epiteliais gástricas Por Um cag mutante negativa de isogénica Helicobacter pylori. J. Clin. Pathol.48 : 967-969.
  50. Censini, S. et ai. 1996. cag, Uma ilha de patogenicidade de Helicobacter pylori, codifica Factores de Virulência Específicos tipo-I e de Doenças Associadas. Proc. Natl. Acad. Sci. EUA.93 : 14648-14653.
  51. Segal, E.D. et ai. 1997. Indução das vias de transdução de Sinal cabelo hospedeiro Helicobacter pylori. Proc. Natl. Acad. Sci. EUA.94 : 7595-7599.
  52. Viala, J. et ai. 2004. Nod1 Responde Ao peptidoglicano Entregue Pela Helicobacter pylori cag de patogenicidade ilha. Nat. Immunol.5 : 1166-1174.
  53. Leunk, R. D. et ai. 1988. A Actividade citotóxica em caldo de cultura filtrados pylori Campylobacter. J. Med. Microbiol.26 : 93-99.
  54. Harris, P. R. et al. 1996. Helicobacter pylori citotoxina induz a vacuolização das celulas epiteliais de da mucosa Primárias Humanas. Infectar. Immun.64 : 4,867-4,871.
  55. Smoot, D. T. et ai. 1996. Efeitos de Helicobacter pylori citotoxina vacuolar em Culturas Primárias de Células epiteliais gástricas humanas. Intestino.39 : 795-799.
  56. Atherton, C. J. et ai. 1995. Mosaicismo em vacuolating alelos citotoxina de Helicobacter pylori. Associação de Tipos Específicos vacA com a Produção de citotoxina e ulceração péptica. J. Biol. Chem.270 : 17771-17777.
  57. Garza-Gonzalez, E. et al. 2004. Associação de Câncer gástrico, HLA-DQA1, e com Infecção Helicobacter pylori CagA + e VacA + em Uma População mexicana. J. Gastroenterol.39 : 1138-1142.
  58. Figueiredo, C. et ai. 2002. Helicobacter pylori e interleucina 1 genotipagem: Uma Oportunidade Para identificar individuos de alto Risco PARA O carcinoma gástrico. J. Natl. Cancer Inst.94 : 1680-1687.
  59. Bravo, L. E. van Doom, L. J. REALPE, J. L. Correa, P. 2002. genótipos de Virulência Associados da Helicobacter pylori: ELES explicam o enigma Africano? Sou. J. Gastroenterol.97 : 2839-2842.
  60. Perez-Perez, G. I. Garza-Gonzalez, E. Portal, C. Olivares, A.Z. 2005. O papel de polimorfismos de citocinas não Risco de Desenvolvimento de Câncer gástrico distal. Cancer Epidemiol. Biomarkers Prev.14 : 1869-1873.
  61. Gebert, B. et ai. 2003. Helicobacter pylori citotoxina vacuolar inibe a ACTIVAÇÃO fazer linfócito T. Ciência.301 : 1099-1102.
  62. KOH, e Wang T., T. 2002. ósmio Tumores do Estômago. InSleisenger & gastrointestinal e não Fígado Doença de Fordtran: fisiopatologia, diagnóstico, Gestão. M. Feldman, L. Friedman, M. e Sleisenger, Editores. W. B. Saunders Co. Filadélfia, Pensilvania, EUA. 829-855.
  63. El-Omar, E. M. et al. 2000. interleucina-1 polimorfismos Associados Ao aumento faz risco de Câncer gástrico. Natureza.404 : 398-402.
  64. Machado, J. C. et al. 2001. A interleucina 1b e interleucina 1RN polimorfismos estao Associados com Risco aumentado de carcinoma gástrico. Gastroenterology.121 : 823-829.
  65. Furuta, T. Shirai, N. Sugimoto, M. 2004. A controversia em polimorfismos de interleucina-1 beta em Riscos de Câncer gástrico. J. Gastroenterol.39 : 501-503.
  66. Palli, D. et ai. 2005. interleucina-1 polimorfismos do gene EO Risco de Câncer gástrico em Uma População italiana de Alto Risco. Sou. J. Gastroenterol.100 : 1941-1948.
  67. El-Omar, E. M. et al. 2003. Aumento faz risco de Câncer gástrico noncardia Associada a polimorfismos do gene de citocinas pró-inflamatórias. Gastroenterology.124 : 1193-1201.
  68. Lee, W.P. et ai. 2005. O alelo -251T fazer promotor de interleucina-8 ESTÁ Associado Ao aumento faz risco de carcinoma gástrico difuso caracteriza-tipo Histopatologia na População chinesa. Clin. Câncer Res.11 : 6431-6441.
  69. Taguchi, A. et ai. 2005. A interleucina-8 polimorfismo do promotor aumenta o Risco de gastrite atrófica e Câncer gástrico nenhum Japão. Cancer Epidemiol. Biomarkers Prev.14 : 2487-2493.
  70. Roth, K. A. Kapadia, S.B. Martin, S.M. Lorenz, R. G. 1999. Respostas imunes Celulares São Essenciais para o Desenvolvimento de felis Helicobacter -Patologia Associada gástrica. J. Immunol.163 : 1490-1497.
  71. Eaton, K. A. Ringler, S.R. Danon, S. J. 1999. esplenócitos murinos induzir sepultura gastrite e de hipersensibilidade retardada e suprimir um Colonização bacteriana na Helicobacter pylori -infectados Ratinhos SCID. Infectar. Immun.67 : 4594-4602.
  72. Eaton, K. A. Mefford, M. Thevenot, T. 2001. O papel de subconjuntos de Celulas T e citocinas NA patogénese de Helicobacter pylori Gastrite em Ratinhos. J. Immunol.166 : 7456-7461.
  73. McCracken, V.J. Martin, S.M. Lorenz, R. G. 2005. A felis Helicobacter modelo de gastrite Transferência adotiva. Immunol. Res.33 : 183-194.
  74. Fox, J. G. et ai. 2000. concomitante Infecção POR helmintos entéricos modula Inflamação e gástricas Respostas imunes e reduz a atrofia gástrica induzida POR helicobacter. Nat. Med.6 : 536-542.
  75. Smythies, L.E. et ai. 2000. Helicobacter pylori -Inflamação da mucosa induzida E mediada POR Th1 e exacerbada em IL-4, mas nao de IFN-gama, Ratinhos OS Deficientes genes EM. J. Immunol.165 : 1022-1029.
  76. Kang, W. Rathinavelu, S. Samuelson, L.C. Merchant, J.L. 2005. Indução interferão gama de hipertrofia das Células do Pescoço da mucosa gástrica. Lab. Investir.85 : 702-715.
  77. Zavros, Y. et ai. 2003. O Tratamento de gastrite POR Helicobacter com IL-4 somatostatina requer. Proc. Natl. Acad. Sci. EUA.100 : 12,944-12,949.
  78. Mitchell, H. M. et ai. 2002. Como principais Diferenças NA RESPOSTA subclasse IgG Pará Helicobacter pylori Não Primeiro e Terceiro Mundo não. Scand. J. Gastroenterol.37 : 517-522.
  79. Whary, M. T. et ai. 2005. Intestinal helmintíases em Crianças colombianas Promove Uma RESPOSTA Th2 Pará Helicobacter pylori: Possíveis implicações Para a carcinogênese gástrica. Cancer Epidemiol. Biomarkers Prev.14 : 1464-1469.
  80. Elshal, M. F. et ai. 2004. Papel do concorrente S. mansoni em Infecção H. pylori -Associada gastrite: Uma ADN-Análise de citometría de Fluxo e oxyradicals correlações. Clin. Chim. Acta.346 : 191-198.
  81. Du, Y. et ai. De 2006. Helicobacter pylori e Schistosoma japonicum co-Infecção em Uma População chinesa: Infecção POR helmintos altera Respostas humoral Pará H. pylori e Relação pepsinogen soro I / II. Microbios Infect.8 : 52-60.
  82. Brittan, M. et ai. 2002. Osso derivação de medula de miofibroblastos pericryptal nenhum rato e nenhum intestino delgado e cólon humano. Intestino.50 : 752-757.
  83. Forbes, S. J. et ai. 2004. Uma proporção significativa dos miofibroblastos São de Origem de medula óssea na fibrose do Fígado humano. Gastroenterology.126 : 955-963.
  84. Brittan, M. et ai. 2005. Um papel regenerativo de medula óssea APOS colite experimental: Contribuição parágrafo neovasculogênese e miofibroblastos. Gastroenterology.128 : 1984-1995.
  85. Houghton, J. Morozov, A. Smirnova, I. e Wang, T. C. 2006. Como Células-tronco e cancer.Semin. Cancer Biol. doi: 10.1016 / j.semcancer.2006.04.003.
  86. Wang, X. et al. 2003. A Fusão Celular e a principal fonte de hepatocitos osso derivadas de medula. Natureza.422 : 897-901.
  87. Rizvi, A.Z. et ai. 2006. osso Células derivadas de medula fundir-se com Células estaminais intestinais Normais e transformadas. Proc. Natl. Acad. Sci. EUA.103 : 6321-6325.
  88. Camargo, F.D. Chambers, S.M. Goodell, M.A. plasticidade celular 2004. Stem: de transdiferenciação à Fusão de macrófagos. Prolif Celular.37 : 55-65.
  89. Orimo, A. et ai. 2005. fibroblastos estromais PRESENTES em carcinomas de mama invasivos Humanos PROMOVER O Crescimento tumoral e angiogênese atraves da secreção / CXCL12 SDF-1 Elevada. Célula.121 : 335-348.
  90. Williams, C. McColl, K.E. 2006. Artigo de Revisão: Inibidores da bomba de protões e supercrescimento bacteriano. Aliment. Pharmacol. Ther.23 : 3-10.
  91. Ekstrom, A.M. et ai. De 2001. Helicobacter pylori Nenhum cancro gástrico estabelecido cabelo immunoblot CagA Como hum marcador de Infecção Passada. Gastroenterology.121 : 784-791.
  92. Zavros, Y. et ai. 2005. A crónica gastrite não ratinho gastrina deficiente hypochlorhydric PROGRIDE parágrafo adenocarcinoma. Oncogene.24 : 2354-2366.
  93. Zavros, Y. et ai. 2002. hipocloridria genética OU química ESTÁ Associada com a Inflamação that modula e Populações de Células parietais G em Ratinhos. Gastroenterology.122 : 119-133.
  94. Cai, X. et al. De 2005. felis Helicobacter erradicação restaura e normais Arquitetura inibe a Progressão do Câncer gástrico em camundongos C57BL / 6. Gastroenterology.128 : 1937-1952.
  95. Rathinavelu, S. Zavros, Y. Merchant, J.L. de 2003. lwoffii Acinetobacter Infecção e gastrite. Microbios Infect.5 : 651-657.
  96. Bateman, D.N. et ai. 2003. Estudo da Mortalidade de 18.000 patients Tratados com omeprazol. Intestino.52 : 942-946.
  97. Kuipers, E. J. et ai. Gastrite atrófica e 1996. Helicobacter pylori Infecção em patients com esofagite de Refluxo TRATADO COM omeprazol OU fundoplicatura. N. Engl. J. Med.334 : 1018-1022.
  98. Berstad, A. E. et ai. De 1997. Helicobacter pylori gastrite e proliferação de Células epiteliais em patients com esofagite de Refluxo Apos o Tratamento com o lansoprazol. Intestino.41 : 740-747.
  99. Eissele, R. et ai. 1997. mucosa gástrica Durante o Tratamento com lansoprazol: Helicobacter pylori e Um Fator de Risco parágrafo hiperplasia das Células argirófilas. Gastroenterology.112 : 707-717.
  100. Klinkenberg-Knol, E. C. et al. Tratamento com omeprazol 2000. Longo Prazo em resistente à Doença do Refluxo gastroesofágico: eficacia, Segurança e influência na gástrica mucosa. Gastroenterology.118 : 661-669.
  101. Lundell, L. 2000. A falta de Efeito da terapia de supressão de ácido Sobre a atrofia gástrica. Gastroenterology.118 : 453.
  102. Larkin, C. J. et ai. 2000. Distribuição em de atrofia Helicobacter pylori -individuos infectados Que tomam Inibidores da bomba de protões. Scand. J. Gastroenterol.35 : 578-582.
  103. Wang, T.C. et ai. 2000. Interacção sinérgica Entre hipergastrinemia e Infecção cabelo Helicobacter em hum modelo de rato com Câncer gástrico. Gastroenterology.118 : 36-47.
  104. Fox, J. G. et ai. 2003. Anfitrião e Componentes microbianos Influência Helicobacter pylori -Câncer induzido em hum modelo murino de hipergastrinemia. Gastroenterology.124 : 1879-1890.
  105. Cui, G. et ai. 2006. apoptose induzida POR gastrina contribui parágrafo a carcinogénese não Estômago. Lab. Investir.86 : 1037-1051.
  106. Takaishi, S. et ai. 2005. Efeitos Inibidores sinérgicos dos antagonistas de gastrina e dos Receptores de histamina nenhum cancro gástrico induzida POR Helicobacter. Gastroenterology.128 : 1965-1983.
  107. Parsonnet, J. Harris, R.A. Hack, H. M. Owens, D. K. 1996. Modelagem custo-eficacia da Helicobacter pylori triagem para Prevenir o Câncer gástrico: um mandato parágrafo Ensaios Clínicos. Lanceta.348 : 150-154.
  108. Uemura, N. et al. 1997. Effect of Helicobacter pylori erradicação nenhuma Desenvolvimento subseqüente de Câncer Apos uma ressecção endoscópica de Câncer gástrico precoce. Cancer Epidemiol. Biomarkers Prev.6 : 639-642.
  109. Uemura, N. et al. De 2001. Helicobacter pylori Infecção EO Desenvolvimento de Câncer gástrico. N. Engl. J. Med.345 : 784-789.
  110. Wong, AC et ai. 2004. Helicobacter pylori erradicação de Prevenir o Câncer gástrico em Uma Região de Alto Risco da China: um Estudo Controlado randomizado. Jama.291 : 187-194.
  111. Zivny, J. et ai. 2003. O papel da terapia OU monitoramento na Prevenção da Progressão PARA O Câncer gástrico. J. Clin. Gastroenterol.36 (Suppl. 5) : S50-S60; DISCUSSÃO S61-S62.
  112. Zhou, L. et ai. 2003. Um Estudo de Acompanhamento de cinco ano Sobre as Mudanças patológicas de da APOS mucosa gástrica H. pylori erradicação. Queixo. Med. J. (Engl.)116 : 11-14.
  113. Ito, M. et ai. 2002. Helicobacter pylori terapia de erradicação melhora a gastrite atrófica e metaplasia intestinal: a 5 Anos de Estudo prospectivo de patients com gastrite atrófica. Aliment. Pharmacol. Ther.16 : 1449-1456.
  114. Ruiz, B. et ai. 2001. Avaliação morfométrica de atrofia gástrica antral: Melhoria Apos uma cura de Helicobacter pylori Infecção. Sou. J. Gastroenterol.96 : 3281-3287.
  115. Labenz, J. et ai. 1997. Cura Helicobacter pylori Infecção em patients com úlcera duodenal PODE provocar esofagite de Refluxo. Gastroenterology.112 : 1442-1447.
  116. Moayyedi, P. et ai. De 2001. Helicobacter pylori erradicação NÃO exacerbar OS síntomas de Refluxo na Doença do Refluxo gastroesofágico. Gastroenterology.121 : 1120-1126.
  117. Schwizer, W. et ai. De 2001. Helicobacter pylori e recaída sintomático da Doença de Refluxo gastro-esofágico: um Estudo Controlado randomizado. Lanceta.357 : 1738-1742.
  118. Kuipers, E. J. et ai. 2004. cura de Helicobacter pylori Infecção em patients com esofagite de Refluxo Tratados com omeprazol Longo Prazo inverte gastrite, sem exacerbação da Doença do Refluxo: Resultados de hum Estudo randomizado Controlado. Intestino.53 : 12-20.
  119. Vaira, D. et ai. 2003. Effect of Helicobacter pylori erradicação nenhuma Desenvolvimento da Doença dispéptica e Refluxo em individuos assintomáticos Saudáveis. Intestino.52 : 1543-1547.
  120. . Wang, T.C. 2006. Como Células-tronco e Câncer Prevenção prevention.Cancer. Issue 7. http://www.nypcancerprevention.com/issue/7/pro/iss/issues-insights.shtml.
  121. Jordan, C.T. Guzman, M. L. Noble, M. 2006. Câncer de Células estaminais. N. Engl. J. Med.355 : 1253-1261.
  122. . Leeson, C. Leeson, T. e Paparo, A. 1985. W. B. Saunders Co. Filadélfia, Pensilvania, EUA. 597 pp.
  123. Correa, P. 1991. E carcinoma gástrico Uma Doença infecciosa? N. Engl. J. Med.325 : 1170-1171.
  124. Rogers, A. B. Fox, J. G. 2004. A Inflamação e Câncer. I. Rodent modelos de gastrointestinal infecciosas e Câncer de Fígado. Sou. J. Physiol. Gastrointest. Liver Physiol.286 : G361-G366.
  125. Rogers, A. B. et ai. De 2005. Helicobacter pylori mas NAO neoplasia sal Elevado induz intra-epitelial gástrica em ratos B6129. Câncer Res.65 : 10709-10715.
  126. Fox, J. G. et ai. 2003. Helicobacter pylori -Câncer gástrico Associado em camundongos INS-GAS E Específico do género. Câncer Res.63 : 942-950.
  • Versão 1 (27 de fevereiro de 2015): No description

mensagens Relacionados

  • Como Inflamação chronic PODE Conduzir …

    Pesquisas Anteriores mostraram Que o Câncer de Estômago E Fortemente ligada à Inflamação chronic, e Que a Infecção POR H. pylori PODE desencadear uma Inflamação chronic that PODE Levar à Doença maligna, …

  • Inflamação nsa síntomas de Estômago

    Gastrite mucosa Significa Inflamação do Estômago. This Doença inflamatoria E classificada Como aguda OU crónica, Como tal EM Duração de Meses ano UO. E gastrite chronic PODE Levar uma desfavorável …

  • Ligações Entre Inflamação e …

    Os Resultados VAO permitir AOS Investigadores Para identificar Novos Alvos de Medicamentos Para a Prevenção e Tratamento de Câncer de cólon. DuBois, um Líder na Investigação Sobre o Cancro colorectal POR Mais de Duas Décadas, tem …

  • Inflamação e Câncer de ovário …

    Antonio Macci a. . , Clelia Madeddu b hum Departamento de Obstetrícia e Ginecologia, Hospital Sirai, Carbonia, Itália b Departamento de Oncologia Médica, Universidade de Cagliari, Cagliari, Itália …

  • Redução da Inflamação com Uma dieta …

    A Inflamação E uma RESPOSTA do Organismo à lesão tecidual e Infecção. E UMA reacção de Complexo that ENVOLVE Uma série de Componentes Celulares e moleculares. O resultado de Cada reacção inflamatoria …

  • A Inflamação chronic e aguda …

    Três Processos principais ocorrem Antes e Durante uma aguda Inflamação: arteríolas, Pequenos ramos das artérias Que conduzem a capilares that fornecem sangue Ao dilate Região danificada, resultando em …